terça-feira, 1 de outubro de 2013

Vampyros Lesbos (Las Vampiras) 1970



Depois de assistir a uma performance de striptease da deslumbrante artista Nadine (Miranda), Linda (Stroemberg) dá-se consigo mesmo a juntar-se a ela (que descobre ser a condessa Nadine - pista número um), no seu refúgio numa ilha. Linda é avisada para não ir para a ilha, onde a "loucura e a morte são regra", mas ela encontra-se atraída pela misteriosa condessa. Os primeiros instantes na ilha com a condessa consistem de um rápida conversa, seguida de um banho, nuas. Linda logo descobre, depois de um ou dois copos, supostamente de "vinho tinto", que a árvore genealógica de Nadine contém um conde Drácula. (Pistas número dois e três.) A bebida bate forte na cabeça de Linda e ela desmaia à mesa. Dois factores a não esquecer: a) este é um filme de Jess Franco e b) é intitulado "Vampyros Lesbos", por isso podem adivinhar o que vem a seguir ...
Redescoberto através de cassetes Vhs por uma nova legião de fãs devotos (incluindo Quentin Tarantino, que utilizou parte da banda sonora, em 1998, no filme "Jackie Brown"), este filme lançou um novo interesse no cinema de Franco. De certa forma, a sua reputação tornou-se excessivamente inflamada, mas não há como negar o sex-apeal do filme. 
O filme é o mais conhecido de colaborações de Franco com uma das suas atrizes fetiches, a tragicamente desaparecida Soledad Miranda. A sua interpretação da sombriamente sedutora, mas implicitamente triste e trágica, vampira condessa é inesquecível. Seria talvez um equívoco chamar de Miranda uma grande actriz, mas a química entre ela e Franco resultou num conjunto fascinante de trabalhos que continua a assombrar os fãs até hoje. Franco foi o primeiro - e, talvez, o único - realizador a aperceber-se do seu enorme potencial, e foi capaz de usá-la, fisicamente, de uma forma que lembra Barbara Steele em "Black Sunday" de Mario Bava (1960). Seguindo a orientação de Franco, Miranda tornou-se numa das principais femmes fatale do cinema de terror europeu antes da sua morte prematura em 1971.
Além da presença na tela da etérea Miranda, o filme tem um belo elenco de apoio. Ewa Stroemberg é bastante fotogénica como objeto dos desejos carnais de Miranda, mas também tira um desempenho sólido que acrescenta algum sombreamento para o seu papel. Um dos preferidos de Franco, Paul Müller, também está na calha como o psiquiatra desinteressado de Stroemberg, enquanto o próprio realizador desempenha outro dos seus papéis de personagens bizarras (interpreta um porteiro de hotel com uma propensão para torturar mulheres jovens). O actor inglês Dennis Price também aparece, interpretado o sombrio Dr. Seward. Price, com a sua carreira em declínio, acrescenta um toque de classe ao processo, e parece longe dos personagens doentios que faria em filmes posteriores de Franco, mas mesmo aqui os seus anos de abuso do álcool são claramente visíveis.
Vampyros Lesbos também oferece alguns dos sonhos mais loucos de Franco. A inversão literal de Drácula de Bram Stoker - com uma vampira, praias cheias de sol, uma rede para mosquitos no lugar de teias de aranha, etc. Franco mostra a sua propensão para cenas com zoom, mas aqui, elas realmente funcionam num contexto tão estilizado. Os visuais fora do vulgar emprestam ao filme um impacto adicional pela banda sonora verdadeiramente surpreendente, da autoria de Manfred Hubler e Siegfried Schwab. Parece que a música não foi escrita para o filme, mas que Franco a descobriu e se inspirou nela para fazer o filme, em volta de sua fusão bizarra de acid jazz e riffs de rock n'roll. 

Critica do theresomethingouthere aqui. 

Link 
Imdb

Nenhum comentário: