quarta-feira, 23 de outubro de 2013

O Sargento da Força Um (The Big Red One) 1980



Em 1980, depois de 30 anos a dirigir filmes, Samuel Fuller fez aquela que esperava a ser sua obra-prima, com base nas suas próprias experiências na II Guerra Mundial, com a unidade , o "big red one". A versão de Fuller era um épico de quase quatro horas de duração. Certamente que teria sido o culminar de toda a sua obra, e de facto foi a sua obra-prima - mas só foi reconhecida alguns anos mais tarde. Não foi logo na altura porque o estúdio cortou-o para 2 horas, com narração adicionada, e uma nova banda sonora que Fuller não aprovava. Como está agora , The Big Red One é uma das muitas obras-primas do realizador, entre os seus muitos e baratos filmes de série B, como The Steel Helmet, Pickup on South Street , Shock Corridor , ou The Naked Kiss .Teria sido fantástico ver Fuller nomeado ao Óscar por este filme, mas a triste verdade é que não era um grande momento para os filmes da Segunda Guerra Mundial na bilheteria. Os filmes do Vietname, Apocalypse Now, The Deer Hunter, e Coming Home tinham tudo sido recentemente lançados, e os da Segunda Guerra Mundial pareciam já ter sido ultrapassados. Mas The Big Red One é um filme de guerra tão bom, ou melhor, do que aqueles, e ainda melhor em alguns aspectos. É provavelmente melhor do que Platoon ou Full Metal Jacket, da segunda vaga de filmes do Vietname na década de 80. The Big Red One recebeu algumas críticas respeitáveis ​​e alguns resultados na bilheteria, e desapareceu, assim como a maioria dos outros filmes de Fuller.
Lee Marvin interpreta um sargento sem nome, que tinha sobrevivido à Primeira Guerra Mundial. O filme abre com um prólogo em que Marvin mata um soldado inimigo antes de descobrir que a guerra já tinha terminado há quatro horas. Tecnicamente, ele agora é um assassino. Marvin carrega esse peso no seu grande rosto de granito ao longo de todo o filme. The Big Red One é o pelotão de Marvin, que contém quatro soldados que parecem sobreviver a todos os tipos de horror, não importa o quanto bizarro sejam, e uma série interminável de jovens recrutas que morrem antes que possamos saber os seus nomes. Mark Hamill (no mesmo ano em que fez O Império Contra-Ataca) é Griff, um cartoonista e um covarde que quase sempre parece que vai fugir, mas não o faz.The Big Red One é composta por muitas pequenas histórias desligadas, excepto pelos personagens e o cenário. A equipa sobrevive a uma emboscada alemão, liberta um grupo de idosos e mulheres italianas da escravidão pelos alemães, invade um manicómio (um retrocesso para Shock Corridor), e entrega um bébé dentro de um tanque alemão. Estas são histórias lúcidas e frescas. A memória de Fuller não desapareceu de todo ao longo de 40 anos, não há nenhum sentimentalismo, nenhuma mensagem, nenhuma justificação. É apenas um relato em primeira mão, sobre os horrores e as maravilhas da guerra. 
O filme termina com uma situação semelhante à do início, e sabemos que os países vão voltar à guerra, e quase nada irá mudar. Nada, excepto as pessoas que serviram na guerra. Pode acontecer como nas linhas finais do primeiro filme de guerra de Fuller, The Steel Helmet, em que o realizador proclama, No End to This Story. The Big Red One é atravessado por uma onda emocional honesta, porque consegue ser cinema em estado puro. Ele também pode ser sentido como um filme maldito, porque é o registro de alguém que sobreviveu.
Fuller falou sobre restaurar a sua versão original, mas morreu em 1997 sem o conseguir fazer. O crítico de cinema Richard Schickel supervisionou a reconstrução que leva o filme até 158 minutos, e revela uma riqueza que faltava na versão anterior, suspeita-se que a versão de 270 minutos foi um corte brusco mesmo. O restaurado "The Big Red One" é mais capaz de sugerir a extensão e a duração da guerra, as distâncias percorridas, e torna-o num dos melhores filmes de guerra de todos os tempos. A versão aqui apresentada neste post, é a restaurada.
Imdb 

Nenhum comentário: