segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Mãos Perigosas (Pickup on South Street) 1953



Fuller sempre foi considerado como uma grande contradição, uma quintessência do cineasta americano-duro, impetuoso, melodramático, no entanto tinha uma sensibilidade artística, que fizera dele ser muito amado na Europa, especialmente em França, onde viveu e trabalhou durante os últimos 15 anos da sua vida. Os seus filmes raramente eram leves, mas sempre foram mais inteligentes do que seria de esperar, e ele permanece até hoje como um dos cineastas mais talentosos visualmente a trabalhar com uma câmera. Como Alfred Hitchcock, Martin Scorsese e Stanley Kubrick, ele tinha um sentido inato de onde colocar a câmera e como movê-la para obter o efeito máximo.
Sem o talento e o compromisso de Fuller, Pickup on South Street provavelmente teria sido apenas mais um medíocre filme noir. Obcecado com as experiências vividas nos degraus mais baixos da escada social, Fuller transformou o filme num documento social intrigante, bem como num thriller de centralização em torno de um trio de personagens um pouco antipáticas: um carteirista, uma prostituta e um delator profissional. Apesar do comportamento anti-social, era exatamente o tipo de coisa que o Código de Produção queria banir ou pelo menos punir, eles emergem de uma cuidadosa estruturada mise-en-scène, com personagens totalmente humanas que ganham a nossa simpatia e a nossa identificação. 
Richard Widmark, estigmatizado como um actor decadente, interpreta Skip McCoy, um carteirista profissional, que é um perdedor por natureza, várias vezes preso, e portanto, com potencial para passar o resto da vida na prisão se for preso mais uma vez. Isso não o impediu, no entanto, de roubar a carteira de Candy (Jean Peters), uma jovem no metro. Acontece que Skip roubou mais do que esperava, porque Candy trabalhava como mensageira para o seu ex-namorado, um bandido chamado Joey (Richard Kiley), que anda a vender segredos para um grupo de espiões comunistas. A carteira de Candy contém um  microfilme do governo com a fórmula de um produto químico secreto, e uma vez roubada, é alvo de ambos os lados da Guerra Fria: o FBI e os "reds".
A existência de um ângulo comunista em Pickup on South Street tem pouco a ver com o patriotismo sentido por Fuller (quando o carteirista anti-herói diz “Don’t wave a flag at me,”, quase o podemos ouvir dos próprios lábios de Fuller). Pelo contrário, a sua inclusão resulta principalmente do facto de que ele foi feito bem no meio de um ciclo de filmes anti-comunistas de Hollywood. Era difícil fazer um thriller naquela altura sem incluir estalinistas debaixo da cama de alguém. A insignificância dos comunistas no filme é ressaltada porque Fuller foi capaz de escrevê-los, alterando as legendas para se referirem a traficantes de drogas, e assim nem um único frame do filme teve que ser editado para disfarçar o conteúdo político do filme.De certa forma, a inclusão dos comunistas como os bandidos é o ponto mais fraco do filme, porque ele se sente como um ajuste de forças. Fuller está claramente mais interessado na vida dos seus personagens principais do que está na perseguição à esquerda. Os melhores momentos do filme são quando os seus personagens centrais estão no seu estado mais vulnerável, porque é aqui que vemos a sua humanidade.
Widmark transforma o seu personagem numa peça convincente, apesar das suas tendências claramente anti-sociais. Apesar de ser um criminoso não-violento, Skip tem uma veia obscura pulsando debaixo da sua pele, e as cenas em que ele brutaliza estão entre as mais difíceis o nosso estômago .
Ainda assim, Pickup on South Street funciona muito melhor do que a maioria dos filmes da sua espécie. Fuller estabelece uma realidade corajosa para o que é uma mistura um tanto fantasiosa do melodrama de crime e paranoia da Guerra Fria . Fuller e o director de fotografia Joe MacDonald, dão a este filme o olhar noir das sombras escuras, mas o que mais vem à mente é a sensação de claustrofobia visual que transborda nos envolvimentos emocionais dos personagens


Link 
Imdb

Nenhum comentário: