terça-feira, 1 de outubro de 2013

Às Cinco da Tarde (Panj é Asr) 2003



Há um país, um país democrático, onde, diz-se, qualquer criança pode crescer e se tornar presidente. Quando Noqreh (Rezaie), a heroína idealista deste filme, alimenta a noção de que pode se tornar presidente do Afeganistão, é ridicularizada. "Como pode uma mulher afegã se tornar presidente com a sua burca e com os seus filhos", pergunta um dos seus colegas. A América pode ter deposto os Talibãs e as burcas podem provisoriamente ter caído em desuso, mas o que toma o seu lugar? A democracia do estilo ocidental? O sonho americano? A liberdade? Ou, talvez, como Janis Joplin cantou uma vez, "Freedom's just another word for nothing left to lose". 
Cabul está em ruínas. Multidões de refugiados regressam à sua terra natal apenas para descobrir que nada resta senão escombros e pobreza. Os anciãos culpam a queda do país ao abandono da tradição, a juventude liberal, especialmente as mulheres que já não usam véu. O pai de Noqreh (Yousefrazi), que vira as costas para as mulheres sem véu que passam na rua, fica horrorizado com a blasfémia que vê. Ele acredita que a sua filha frequenta uma escola corânica de leitura onde ela entoa textos sagrados de cor. No entanto, quando ele não está a olhar, Noqreh tira a burca, calça um par de sapatos de salto alto, e faz o seu caminho para a nova escola recém-inaugurada. Aqui, as jovens argumentam que "uma rapariga corajosa e inteligente pode tomar as suas próprias decisões". Elas aspiram a tornar-se professoras e médicas. Mas é um grande liberalismo que impulsiona o seu pai desiludido a deslocar-se para as montanhas em busca de um lugar de descanso numa verdadeira "cidade islâmica".
O filme examina os caminhos divergentes tomados por Noqreh e pelo seu pai: um em direção ao futuro, o outro ao passado. A curiosa nova liberdade é apresentada como estranha e desconcertante: é a liberdade do faz de conta, onde os véus voltam depois das aulas e onde a democracia é apenas teoria. Os refugiados não se importam se o presidente é um homem ou uma mulher, mesmo o soldado de paz francês, cujo trabalho é defender os ideais de democracia, não lhe consegue dizer porque o povo da França votou em Chirac para presidente. Apenas um refugiado poeta (Mohebi) podem revelar algo sobre a liberdade de pensamento, na forma de um poema de Lorca que Noqreh aprende pelo coração, em vez dos textos sagrados tradicionais.
O brilho da jovem de 24 anos Samira Makhmalbaf reside na evocação poética do nascimento de um novo mundo nos escombros rochosos do antigo. Nem demonizar o velho nem idolatrar o novo, Makhmalbaf pinta um retrato humano corajoso de esperança e desespero. Uma mãe lava o seu bébé a morrer na luz quente de um suave fogo, um pai encontra consolo a falar com o seu burro. A sequência final no deserto é desesperadamente triste, mas como Noqreh passa ao longe entoando a sua Lorca, somos lembrados de que talvez ainda haja esperança.
Ganhou o prémio do Júri no festival de Cannes.

Link
Imdb

Nenhum comentário: