domingo, 20 de outubro de 2013

Countess Perverse (La Comtesse Perverse) 1974



Muitos filmes foram inspirados pelo conto de Richard Connell, "The Hounds of Zaroff" ou pelo título que é mais popularmente conhecido "The Most Dangerous Game", desde 1924. Esta história segue um grande caçador que cai no mar e nada até à ilha mais próxima para obter ajuda. Nesta ilha a mesa é virada ao contrário, e o caçador torna-se na presa criando o "The Most Dangerous Game". Um filme com o mesmo nome foi feito em 1932 pelos realizadores do King Kong original, e os filmes mais recentes são obras como The Running Man (1987), "Hard Target", de John Woo, de 1993 e muitos outros se encaixam nestes moldes. Mas o mais desprezível de todos, desta longa lista, tem que ser o filme de Jess Franco, "La Comtesse Perverse" ou "Countess Perverse".
Seguindo o modelo estabelecido pela história de Connell, encontramos um casal (Howard Vernon e Alice Arno), os aristocráticos conde e a condessa Zaroff, vivos na sua própria ilha e a ter companhia para jantar...literalmente. Eles são canibais e a Condessa é uma caçadora da Amazónia que gosta de matar a comida por desporto, mas não fica por aí. A dupla desonesta também gosta de brincar com a comida antes de a matar e comer, e quando eu digo "brincar" quero dizer seduzir e passar um tempo impertinente com ela. Do outro lado da água, em terra firme, um jovem casal, Tom e Moira, ajudam os Zaroffs com o fornecimento das suculentas convidadas para o jantar. Quando conhecem a nova vizinha Silvia (a muito jovem, e sem dúvida doce Lina Romay), o casal decide que ela é a refeição perfeita (de todas as maneiras) para o conde e a condessa. Mas Silvia é tão apetitosa, que Tom a quer para si próprio.
Todos estes acontecimentos são destacados pelo realizador Jess Franco e pelo seu errante olho intrusivo. Ele coloca a câmera nos locais mais sórdidos onde apenas os filmes pornográficos iriam, e alguns destes ângulos são apenas ... errados. Mas mesmo assim este é provavelmente dos filmes mais fortes e sexys de Franco.
Os filmes de Franco são muitas vezes referenciados pela utilização de personagens femininas fortes. Este filme permite à escultural Alice Arno para entrar no papel que viria a definir a sua carreira. Arno é perversidade e excêntrica pura como a Condessa Zaroff, uma canibal com um gosto por carne masculina e feminina ... e fluidos corporais. A actriz raramente é mencionada entre as maiores musas de "fetiche" de Franco - como Maria Rohm, Soledad Miranda, Lina Romay e Britt Nichols - mas certamente que merece uma consideração especial. Consegue fazer da condessa um personagem convincente, o que não era fácil nos filmes deste realizador, bastante encharcado de humor negro e insinuações sexuais. Quando chegamos ao clímax do filme e vêmo-la correr atrás da sua presa, completamente nua e empunhando um arco e uma flecha, é um forte lembrete de quanto bons os filmes de Franco podem realmente ser.

 Critica do theresomethingouthere aqui.  

Link 
Legendas em inglês
Imdb

Nenhum comentário: