quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Os Gatos Persas (Kasi az Gorbehaye Irani Khabar Nadareh) 2009



A expressão "indie rock" pode evocar instantaneamente sons melodiosos ou harmoniosos, mas num país onde os géneros músicais eram quase todos proibidos, esse rótulo de repente torna-se um conceito muito mais elástico. Aqui, o cineasta iraniano Bahman Ghobadi segue uma dupla de jovens músicos influenciados pelo ocidente, forçados a fazerem uma leitura underground, por porões e esconderijos distantes, os únicos sitios onde eles podem partilhar os seus gostos. Enquanto Negar (Negar Shaghaghi) e Ashkan (Ashkan Koshanejad) precorrem o seu caminho através dos espaços ocultos de Teerão à procura de uma banda de apoio para levar a Londres para um concerto, eles encontram uma rede de músicos dedicados tocando não só o rock em que os músicos pretendem se especializar, mas também metal, funk, blues, hip-hop e músicas tradicionais iranianas.
Os protagonistas Shaghaghi e Koshanejad são um casal romântico e musical na vida real, a interpretarem versões de si próprios ao lado de muitas figuras do submundo musical de Teerão, e rodado nos locais mais sombrios da cidade, nas caves mal iluminadas da cidade com câmeras portáteis, "Os Gatos Persas" estabelece uma intimidade muito verité, que parece muitas vezes pouco interessada em reconhecer a rigidez da divisão documentário/ficção. O filme de Ghobadi é mais forte ao estabelecer a cultura de um submundo conduzido por uma devoção fanática próxima à música e cercado pela ameaça constante da exposição e prisão.Numa sequência rica em detalhes, um grupo de músicos aguarda no telhado de um apartamento, esperando que um vizinho saia para o trabalho, para que possam tocar, e ler aquilo que para eles equivale ao Santo Graal, uma cópia do New Musical Express. Mais tarde, quando eles descem ao apartamento, o proprietário, o pai de um dos músicos cansado ​​de apanhar o filho na esquadra da polícia, desliga a eletricidade. 
Mas se a ameaça da repressão permanece latente durante grande parte do filme, Ghobadi deixa claro que o continua a ser muito real. Quando o maluco do filme Nader (Hamed Behdad), um homem de entusiasmo irreprimível que tem como animais de estimação os pássaros Rhett e Scarlet, é preso por fazer cópias de DVD ilegais de milhares de filmes, e é levado perante um tribunal local, uma cena que o realizador filma do ponto de vista de Ashkan. Nader é libertado com apenas uma pequena multa e, embora o cenário seja amplamente cómico (conseguido principalmente através do histrionismo insinuante do personagem, bem como a sua insistência em que as pessoas vejam os filmes a partir de uma "perspectiva artística"), a ameaça de um castigo violento escapou e tornou-se uma sequência de comédia, uma espécie de humor negro.
Se, nos segmentos narrativos do filme, Ghobadi esteja bastante próximo do neo-realismo flexionado à estética associada ao cinema nacional do seu país, de seguida, costa estes momentos com números musicais frequentes. Intercalando apresentações ao vivo por músicos de Teerão com imagens da cidade que tematicamente ecoam as letras das músicas, Ghobadi transforma estes segmentos em algo parecido com uma série de vídeos de música independentes. Assim como o compromisso pluralista do realizador significa que uma gama diversificada de música seja representada, muitas vezes, variando muito em qualidade, por isso os segmentos musicais provam haver um misto de qualidade artística. Ocasionalmente, aumentando o poder das canções através da contextualização, esses números muitas vezes sobrecarregam o espectador com uma estética estonteante de câmera a tremer e de cortes ultra-rápidos que tornam as imagens quase subliminares. 

Link 
Imdb 

Nenhum comentário: