domingo, 13 de outubro de 2013

Baionetas Caladas (Fixed Bayonets!) 1951



Fixed Bayonets! começa com uma saudação textual para a infantaria dos EUA que define a acção da história em 1951, na Coreia, movendo-se então para a acção real para vermos explodir um jeep para fora da estrada e nos apresentar a uma tenda cheia de oficiais com uma decisão difícil de tomar. Esta divisão está a enfrentar uma derrota iminente se não recuar, mas na verdade isto não é assim tão simples. Se o inimigo se aperceber que eles estão a recuar, de seguida atacarão em força. O comandante decide que devem deixar um pelotão de apenas 48 homens, como retaguarda, cujo trabalho será convencer as forças opostas que toda a divisão ainda está presente, enquanto a maioria faz o seu caminho de regresso para a segurança. Um dos encarregados ​​de permanecer, o relutante cpl. Denno (Richard Basehart), tem um profundo medo de comandar, e aqueles que o comandam começam a ser vítimas do fogo inimigo, e cresce possibilidade de que ele pode ter de assumir o comando de todo o pelotão.
O filme pode lido como a montagem padrão para uma história encontrar o seu herói interior em tempo de guerra, mas mesmo neste pequeno resumo, há um par de coisas que não jogam pelo manual da guerra. Para começar, há um reconhecimento antecipado de que as coisas nem sempre vão bem para as tropas dos EUA neste conflito particular, por vezes eles andavam em menor número e manobrados e que lutar até à morte nem sempre era a opção mais lógica. Este tipo de honestidade cinematográfica tornou-se um ingrediente familiar dos filmes de guerra pós-Vietname, mas é importante lembrar que Fixed Bayonets! foi feito e lançado em 1951, quando as tropas americanas ainda lutavam na Coreia e ainda sofriam perdas. E enquanto as forças inimigas são quase inevitavelmente referidas como "vermelhos" ou "comunas" , estes soldados honesto falavam direito em vez de nos dar sermões contra os inimigos, e os soldados inimigos nunca eram caricaturados ou demonizados, mas em vez disso eram caracterizados como implacáveis profissionalmente e potencialmente letais. 
Embora a narrativa seja construída em volta de Denno, ele é apenas um soldado num grupo distintamente desenhado que inclui alguns favoritos do género - os italianos agitados e o intelectual divertido Whitey assentavam como uma luva no filme de Fuller em 1980, The Big Red One, ou então quantos pelotões de filmes de guerra poderíamos pensar que incluem um índio Cherokee? Um grupo simpático e variado, interagindo alegremente é um dos prazeres reais do filme e que lhe dá uma vantagem surpreendentemente contemporânea. Isto é ecoado na realização de Fuller, que aproveita o cenário coberto de neve para colocar repetidamente a câmera montada no guindaste de Lucien Ballard em movimento, cobrindo sequências inteiras em frames individuais, altamente móveis por vezes complexos, que nunca são projetados para chamar a atenção para si mesmas. Por outro lado a combinação do posicionamento da câmera de Ballard e a montagem de Nick DeMaggio são combinadas para fazerem efeitos, como a sequência em que Denno tem que atravessar um campo minado coberto de gelo para alcançar o seu superior ferido, é uma lição de como colocar os nervos em franja da audiência. O uso de close-ups faciais para ligar às emoções e à humanidade dos membros do pelotão - nomeadamente na sequência notável na qual a retaguarda assiste em silêncio enquanto os seus camaradas, lentamente, fazem o retiro. O filme ainda antecipa alguns dos truques visuais do género, como flashes brancos usados ​​para enfatizar o fogo da artilharia e da câmera abalada pelo impacto das explosões. Ambos foram inventados na pós-produção deste filme.
Amplamente reconhecido como um dos filmes essenciais de Samuel Fuller, Fixed Bayonets! bem merece tanto que a reputação como o ponto de exclamação no título. O combate é realista e contundente, os personagens cativante, enquanto o diálogo e as interpretações gerenciam um puro acto de equilíbrio entre o naturalismo estilizado e inteligente.

Link
Imdb

Nenhum comentário: