sexta-feira, 25 de outubro de 2013

A Ficção Científica dos Anos 50

A era moderna da ficção científica começou em 1950, com o lançamento do Destination Moon, George Pal no primeiro de vários épicos dos efeitos especiais. A ficção científica ou a projeção do imaginário possível para o futuro foi um marco do cinema desde os seus primórdios, quando Trip to the Moon, de Julio de Verne foi filmado pela primeira vez em 1902.
Antes de 1950, as contribuições para o género tinham sido poucas: Metropolis de Lang, 1925; Frankenstein, de 1931; King Kong, de 1933; Things to Come, de 1936, seguido de um punhado de filmes de cientistas loucos e os seus derivados, ou óperas espaciais de baixo orçamento, como seriais de Flash Gordon, Buck Rogers e Superman, destinados ao comércio adolescente. 
A divisão do átomo foi a semente que produziu a enorme explosão de cinema radioactivo na década de 50, juntamente com o crescente sentimento de que o homem não estava sozinho no universo, que havia provavelmente outros seres que habitavam planetas em sistemas diferentes do nosso. 
O cinema prestou pouca atenção às bombas atómicas lançadas sobre o Japão, para trazer à Segunda Guerra Mundial um rápido fim, em 1945. No entanto, o primeiro teste da bomba H em 1952, com mil vezes o poder destrutivo da bomba atómica estimulou o género com um choque que continua até hoje. De repente, era como se todos estivessem cientes de que estávamos a desenvolver a capacidade técnica e destrutiva nas nossas mentes, e quando elas se confundiam, nós, como meros seres humanos, muitas vezes tendíamos a ficar em perigo. 
 Assim, chegou-se à conclusão de que os nossos visitantes imaginários, de outros planetas, ou tomavam a forma de seres superiores, desafiando-nos a lidar corretamente com o poder que tinhamos alcançado, ou simplesmente nos atacavam, muitas vezes sem aviso, posturas cinematográficas que ainda hoje fornecem forragem história para um grande número de filmes de grande orçamento.
O que tivemos com o nascimento do género na década de 50 foi principalmente um monte de filmes de baixo orçamento sobre monstros criados tanto pelo intelecto rebelde do homem ou como subproduto da sua ignorância em mexer com forças elementais cujos poderes estão além da nossa capacidade de compreender.

Este período da década de 50, é muitas vezes considerado como a era clássica da ficção científica,  e nos próximos dias vamos conhecer quais dos filmes dela fizeram parte. 
Podem começar por duas obras que já fazem parte do blog:

The Day the Earth Stood Still (1951), de Robert Wise
When Worlds Collide (1951), de Rudolph Mathé

A partir de amanhã começa o ciclo. Espero que seja do vosso agrado.



Um comentário:

ajanelaencantada disse...

Aqui está outro ciclo que vou seguir com muito interesse. É um cinema (hoje dito de culto) que me apaixona. Provavelmente daqui a uns tempos irei também dar-lhe destaque no meu blog, pois há alguns destes filmes que eu nunca vi e quero ver. Abraço. :)