sábado, 26 de outubro de 2013

Expedition Moon (Rocketship X-M) 1950



Um projeto top secreto está prestes a ser concretizado pelo governo dos Estados Unidos, e os quatro homens e a mulher envolvidos têm o seu último check-up médico antes de enfrentar a imprensa. Quando estão sentados na sala de conferências, a conversa é conduzida pelo chefe do projeto, Dr. Fleming (Morris Ankrum). Ele conta uma notícia espetacular ao informar o mundo, que essas cinco pessoas estão prestes a embarcar numa missão pioneira. Em 15 minutos eles vão descolar num foguete para a Lua, para explorar a sua superfície pela primeira vez na história da humanidade - mas, e se as coisas não correram conforme planeado?
Em 1950, a corrida espacial estava no bom caminho, não a corrida entre os americanos e os soviéticos, mas outra entre duas produtoras de filmes rivais para ver quem iria fazer o primeiro filme de ficção científica sério. Um dos concorrentes foi escrito pelo realizador e produtor Kurt Neumann com a ajuda adicional de Orville Hampton e um não creditado Dalton Trumbo, e foi coroado como vencedor, batendo o filme de George Pal "Destination Moon", por algumas semanas. Pal pode ter gozado do orçamento maior, mas Neumann tinha a vantagem de ter acabado primeiro .Rocketship XM começa como um filme sóbrio, e, sobretudo, técnico, mas por incremento torna-se um filme um pouco estúpido para os dias que correm. Exemplo: embarcar no foguete apenas cinco minutos antes da decolagem, com uma tripulação liderada pelo coronel Floyd Graham (um arrogante Lloyd Bridges) preenchida com breves papéis tradicionais, como o cientista mais velho (John Emery), o personagem cómico (Noah Beery Jr.), o personagem bonito para fazer número ( Hugh O'Brian ) e, claro, a essencial cientista bonita (Osa Massen).
Graças presumivelmente a Trumbo, o filme tem uma mensagem sobre o poder muito precoce, anti-atómica que pode não ser muito súbtil, mas é relevante, como os eventos da década seguinte iriam mostrar. Uma vez no espaço, com alguns efeitos de gravidade muito seletivos, um acidente faz com que eles sejam atirados para fora de órbita, e ao despertar da inconsciência percebem que não estão a orbitar a Lua, mas sim o planeta vermelho de Marte. Não querendo desperdiçar esta oportunidade, para que a terra conheça a superfície do planeta, que parece um suspeito como um deserto californiano, e saiem para explorar.  
Eles descobrem um deserto radioativo, os restos de uma raça outrora orgulhosa de uma guerra nuclear, que os enviou de uma forma dramática de volta à Idade da Pedra. A gravidade desta mensagem, para lá do  absurdo da sua apresentação, é sublinhada pelo final assustador, e pela interpretação de Ankrum, que é quase comovente. Ainda era muito cedo, mas já lá estava a mensagem: cuidado como vais usar a bomba, avisa o filme, porque não há como voltar atrás, uma vez que a fazemos detonar... 

Link 
Imdb

Nenhum comentário: