terça-feira, 28 de junho de 2022

O Prisioneiro de Zenda (The Prisoner of Zenda) 1979

O idoso Rei Rudolf da Ruritânia morre num acidente de balão e o herdeiro, príncipe Rudolf, que se encontra em Londres, torna-se alvo do seu irmão, o Duque Michael, que quer matá-lo para assumir a coroa. Na viagem de Londres até à Ruritânia, Rudolf é ajudado pelo cocheiro Syd Frewin, um sósia que toma o seu lugar.
A habilidade do comediante Peter Sellers em desempenhar vários papéis no mesmo filme tornou-se uma muleta em alguns filmes do final da carreira do actor, incluindo "A Vingança da Pantera Cor de Rosa", contando com o truque de esconder Sellers atrás de acentos patetas, e fantasias ainda mais patetas. Em "O Prisioneiro de Zenda" Sellers interpreta um monarca em extinção e o seu sósia plebeu. Embora o romance original de Anthony Hope no qual o filme se baseia tenha uma narrativa bastante sólida, que a história tenha sido adaptada várias vezes,  mas aqui os argumentistas optaram pela sátira, que por vezes deixa um pouco a perder. 
Realizado pelo americano Richard Quine, que termina a sua carreira com os dois mesmos filmes de Peter Sellers, tinha no elenco de apoio nomes como Lynn Frederik, Lionel Jeffries, Elke Sommer, Jeremy Kemp, entre outros. 

terça-feira, 21 de junho de 2022

A Vingança da Pantera Cor-de-Rosa (Revenge of the Pink Panther) 1978

O empresário e traficante francês Douvier organiza um atentado contra a vida do Inspetor Closeau, como forma de provar sua capacidade aos mafiosos de Nova Iorque com os quais deseja fazer negócios ilícitos. Com o carro que dirigia explodido, Closeau é dado como morto, mas resolve continuar nessa condição para tentar descobrir quem o atacou. A notícia da sua morte "cura" instantâneamente o ex-chefe de Closeau, o Comissário Dreyfuss, que sai do hospício e volta ao seu cargo encarregado da mesma missão.
Sexto filme da série "Pink Panther". e último, pois Peter Sellers faleceria pouco tempo depois. Estava previsto ainda mais um, chamado "Romance of the Pink Panther", que não chegou a ser feito pelo falecimento de Sellers. Embora a franquia já não tivesse nos seus melhores dias, era difícil encontrar uma série de filmes tão regular ao longo dos anos. 
Novamente muitas piadas visuais para manter o humor, e disfarçar o argumento algo previsível. Blake Edwards conta com o seu argumentista do costume, Frank Waldman e um Ron Clark que vinha da televisão. O vilão, sempre bem caracterizado era Robert Webber, e o elenco contava ainda com alguns nomes de peso: Herbert Lom, Burt Kwouk, Dyan Cannon e Robert Loggia.

domingo, 12 de junho de 2022

A Pantera Volta a Atacar (The Pink Panther Strikes Again) 1976

O inspetor chefe Charles Dreyfus apossa-se de uma arma letal e ameaça destruir o mundo. A sua única exigência para evitar a catástrofe é que o incompetente inspetor Clouseau seja exterminado. Mas a sorte não abandona Clouseau, e os 26 assassinos contratados para acabar com ele não têm sucesso na sua empreitada.
O quarto filme da série da Pantera é muito interessante, embora por esta altura a caracterização da personagem de Sellers estivesse muito dependente das fantasias cómicas desta personagem. O argumento ao estilo de James Bond é divertido, com o outrora chefe de Clouseau, Dreufys, a fugir de uma instituição mental, e a ameaçar com a destruição global caso caso Clouseau não lhe seja entregue, e o filme benefecia muito dos personagens secundários: a rotina alegre e maníaca de Herbert Lom é deliciosa, e Lesley-Anne Down também está muito bem como a agente russa.
Mão há muito mais a dizer, porque o filme cumpre com tudo como os restantes filmes da série até aqui. A realização certeira de Blake Edwards, a banda sonora de Henry Mancini, que lhe valeria uma nomeação ao Óscar por melhor música, e tudo no sitio certo. 

sábado, 4 de junho de 2022

Um Cadáver de Sobremesa (Murder by Death) 1976

Os acontecimentos misteriosos em "Murder By Death" acontecem num velho castelo sombrio, perpetuamente envolto em neblina e tempestades, no final de uma estrada longa e sinuosa e do outro lado de uma ponte frágil. A campainha toca com um grito penetrante de mulher. O mordomo (Alec Guinness) é cego, o cozinheiro é surdo e mudo, e o excêntrico milionário anfitrião, Lionel Twain (Truman Capote), é uma personagem sinistra. Os convidados para esta festa misteriosa são um grupo familiar - paródia aos cinco maiores criminologistas do mundo. Eles incluem Sidney Wang (Peter Sellers), o famoso detective chinês; Sam Diamond (Peter Falk), o detetive particular de San Francisco; Milo Perrier (James Coco), o gordo detetive belga; Miss Marbles (Elsa Lanchester), a avó inglesa; e Dick e Nora Charleston (David Niven e Maggie Smith), frios como pepinos e nunca sem um martini nas mãos. Irá acontecer um crime no castelo, e os detectives terão de descobrir o assassino.
Realizado por Robert Moore, com um argumento da autoria de Neil Simon, numa altura em que cada filme que pegava transformava num sucesso, e durante a década de setenta conseguiu mesmo três nomeações para o Óscar num curto espaço de 3 anos, é uma paródia aos filmes de detectives que estavam então muito em moda durante aquele período, uma paródia que apesar de não ter sido muito bem concebida era facilmente vista por quem não conhecia os filmes a serem parodiados.
No meio de um elenco com tantas estrelas, é Alec Guiness quem acaba por colocar o filme no bolso, no papel do mordomo cego. 

sexta-feira, 27 de maio de 2022

O Regresso da Pantera Cor-de-Rosa (The Return of the Pink Panther) 1975

O diamante "Pantera Cor de Rosa" é roubado e apenas uma pista é deixada para trás - uma luva branca, uma assinatura exclusiva do mundialmente famoso ladrão de jóias conhecido como "O Fantasma". O ladrão, há alguns anos reformado, torna-se imediatamente o suspeito número um na lista do Inspetor Closeau, mas desta vez ele está inocente e, numa tentativa de limpar o seu nome, decide procurar o verdadeiro ladrão por meios próprios, ao mesmo tempo que lança o Inspetor Closeau numa caça aos gambozinos. Os métodos absurdos de Closeau levam o Inspetor Chefe Dreyfus à beira da loucura, ao ponto de este equacionar o assassinato de Closeau, para se livrar dele de uma vez por todas!
Em meados da da década de setenta Peter Sellers e o realizador Blake Edwards precisavam de um grande êxito para sustentar a sua carreira, e a escolha ideal seria fazer mais um filme do inspector Closeau, já que era por isto que eles eram mais conhecidos. Edwards estava a tentar fazer uma série de televisão com a personagem, quando o britânico Sir Lew Grade decidiu que iria adquirir os direitos para a sequela para a sua ITC, e a produção da série se tornou um filme. Um filme que seria muito lucrativo, e que voltaria a colocarem os dois homens juntos na produção de duas novas sequelas antes do final da década. Sem dúvida que este "Return" é a melhor das sequelas dos filmes da década de setenta.
Para tornar este filme em mais do que uma pura sequela, Edwards reuniu um grande elenco de apoio a Sellers. No lugar de David Niven, que tinha feito o papel de Sir Charles no filme de 1963, iriamos encontrar Christopher Plummer, que consegue fazer um ex-ladrão convincente, com os seus desentendimentos com a polícia e o submundo do crime organizado tão emocionantes como engraçados. Catherine Schell era um bom contraponto romântico, e Herbert Lom volta ao seu papel original.

quarta-feira, 18 de maio de 2022

Caiu Uma Rapariga na Minha Sopa (There's a Girl in My Soup) 1970

Peter Sellers é Robert Danyers, um famoso e solteiro apresentador de televisão que já passou dos 40. Especialista em bebidas e comidas exóticas, utiliza o seu poder de playboy para conquistar mulheres. Neste caso, a sua vítima será Marion, a quem conhece em um casamento e por quem se apaixona. Mas ela não está sozinha: o namorado, um bateirista de rock chamado Billy (Nicky Henson), vai querer mantê-la a seu lado.
Uma Goldie Hawn muito novinha, então apenas no seu segundo filme, é a melhor coisa deste "There´s a Girl in My Soup", a lidar muito habilmente tanto com as cenas cómicas como dramáticas. E depois temos Peter Sellers, a trabalhar uma vez mais com o realizador britânico Roy Boulting, com quem já tinha trabalhado em vários filmes menos conhecidos. Boulting escolheu Sellers pelas suas capacidades cómicas, porque o actor não tem uma grande aparência de playboy, e talvez tenha ficado a perder um pouco aqui.
Baseado na peça de Terence Frisby, e claramente a atmosfera teatral e implacável não desmente as origens teatrais. E mesmo com o filme a ser divertido de inicio, não há que negar que se chega a um ponto em que tudo se esgota. É um filme que muitos estariam à espera neste ciclo.
Legendas em espanhol. 

terça-feira, 10 de maio de 2022

A Borboleta Vermelha (I Love You, Alice B. Toklas!) 1968

 Peter Sellers é Harold Fine, um advogado trintão que não está ansioso por chegar à meia-idade, nem por um futuro casamento. Tudo muda quando ele conhece Nancy, uma jovem hippie de espírito livre, inocente e bonita. Decide desistir de tudo e tornar-se um hippie também, mas será que poderá voltar à vida normal quando descobre que a vida de "hippie" é demasiado independente e irresponsável para os seus gostos?
Originalmente lançado em 1968, "I Love You, Alice B. Toklas!" era a interpretação de um estúdio grande de Hollywood sobre a cultura psicadélica emergente. O humor centra-se no momento em que os hippies se encontram com o trabalhador regular das 9 às 5, com Peter Sellers a carregar o filme, num papel sempre intenso e cheio de momentos de boa disposição, apesar do filme, mais de 50 anos depois, estar já bastante datado. 
Um argumento a 4 mãos de dois nomes bem interessantes, Paul Mazursky e Larry Tucker, a dupla que no ano seguinte estaria por trás do enorme êxito "Bob and Carol and Ted and Alice", e a realização a cargo de Hy Averback, um realizador maioritariamente de televisão que fez alguns filmes no final da década de sessenta.

segunda-feira, 2 de maio de 2022

A Festa (The Party) 1968

Hrundi V. Bakshi é um ator desajeitado de origem indiana que está a rodar um filme no deserto. Por causa dos seus erros contínuos é demitido das filmagens. Inesperadamente, ele recebe um convite para participar numa festa sofisticada organizada pelo produtor de seu último filme. Graças a Hrundi, as situações mais loucas ocorrerão durante a festa.
Entre os filmes de sucesso de "A Pantera Cor de Rosa", o realizador Blake Edwards criou outro veículo para Peter Sellers, para mostrar os dons de mímica do actor. Uma vez que Sellers aparece numa festa o filme torna-se num desfile para os vários episódios embaraçosos que afligem o seu personagem excêntrico. Apesar da história simples e das palhaçadas, há um constante foco no nervosismo que assola qualquer pessoa convidada para uma grande festa, tornando o Hrundi V. Bakshi de Sellers uma personagem bastante simpática.
É uma obra hilariante, próxima da genialidade, considerado por muitos como o melhor filme de Edwards, e também o melhor de Sellers, que aqui se revela um dos maiores monstros da comédia de todos os tempos.

segunda-feira, 25 de abril de 2022

Casino Royale (Casino Royale) 1967

Quando o chefe “M” (John Huston) da agência secreta é assassinado, James Bond (David Niven) deixa a reforma de espião para ajudar a esmagar a SMERSH, o grupo de assassinos possivelmente responsáveis. E para proteger a sua verdadeira identidade, o nome de Bond é dado a vários agentes, incluindo Evelyn Tremble (Peter Sellers) e o sobrinho neurótico de Bond, Jimmy (Woody Allen).
"Casino Royale" é a paródia original, estabelecendo os precedentes para os filmes de Austin Powers no final dos anos 90. A presença de cinco realizadores aliada ao enredo excessivamente complicado, torna o filme quase impossível de se seguir. Uma sátira ao mais alto grau, foi o primeiro filme não oficial de James Bond, mas é desnecessário compará-lo a qualquer filme de série. O elenco de celebridades está embaraçosamente em piadas ridiculas atrás de piadas ridiculas, mas o mais valioso do filme é mesmo a banda sonora da autoria de nomes como Burt Bacharach, Herb Albert e Dusty Springfield.
John Huston, Ken Hugues e Robert Parrish foram alguns dos realizadores associados ao projecto, enquanto que o elenco contava ainda com Ursula Andress, Orson Welles, Deborah Kerr, William Holden, Charles Boyer, Jean-Paul Belmondo, Barbara Bouchet, entre tantos outros. A banda sonora conseguiu uma nomeação para os Óscares. 

domingo, 17 de abril de 2022

A Raposa Dourada (Caccia Alla Volpe) 1966

Para executar um milionário roubo, um homem (Peter Sellers) faz-se passar por um realizador de cinema numa vila no interior de Itália, onde a produção de um filme é mero pretexto para a execução do plano.
Uma reunião improvável do realizador italiano de cinema neorealista Vittorio de Sica e do dramaturgo americano Neil Simon, resultou nesta paródia desigual, mas com momentos hilariantes, num filme de assalto. Peter Sellers tem uma interpretação tipicamente estelar no papel principal, interpretando um homem tão autoconfiante nas suas habilidades como um ladrão de classe mundial que prevê abertamente a sua própria capacidade de escapar da prisão caso seja apanhado. Mas o filme acaba por ser roubado por um improvável Victor Mature, no papel de um convencido actor. Longe dos seus tempos áureos, o actor já andava meio arredado do mundo do cinema, e tem aqui um óptimo renascimento. O filme incluía ainda Britt Ekland, Martin Balsam e Akim Tamiroff  à frente de um elenco maioritariamente italiano. 
Curiosamente, De Sica traz-nos uma visão amarga de como a industria cinematográfica explora não apenas os actores, mas as pessoas comuns que se deslumbram com o mundo do cinema.

sábado, 9 de abril de 2022

A Fabulosa Troca de Caixões (The Wrong Box) 1966

Século 19, Inglaterra. Um grupo de homens guarda conjuntamente uma grande quantia em dinheiro, que só poderá ser utilizada pelo último filho sobrevivente de todos eles. Os anos passam e apenas dois irmãos restam. Tentando se apoderar do dinheiro, eles passam a lutar um pela morte do outro. 
"The Wrong Box" é um filme difícil de se categorizar. É suposto ser uma comédia, mas não é muito engraçado, também não existe drama suficiente para ser categorizado como tal. Baseado num livro do mesmo nome, escrito por Robert Louis Stevenson e pelo seu sobrinho, Lloyd Osbourne, com realização de Bryan Forbes, um homem que realizou uma série de filmes interessantes em meados da década de 50, entre os quais "The L-Shaped Room". 
O livro é muito mais sombrio do que o filme, mas na tela "The Wrong Box" acaba por se tornar numa farsa mais convencional, no centro da qual está um romance entre um par de personagens docemente ingénuos. O elenco tem muita classe, e reúne um grupo de actores de grande prestígio do cinema britânico daquele periodo, como Michael Caine, John Mills, Ralph Richardson, Peter Cook, Dudley Moore, Nanette Newman, Peter Sellers, ou Peter Graves.

domingo, 3 de abril de 2022

Que há de Novo, Gatinha? (What's New Pussycat) 1965

 Michael James, um conhecido mulherengo, quer desesperadamente ser fiel à sua noiva Carole, mas depara-se com sérios problemas, já que todas as mulheres que conhece apaixonam-se por ele. O seu psicanalista, o Dr. Fassbender (Sellers), também não pode ajuda-lo, porque anda ocupado a cortejar uma das suas pacientes, que por sua vez está interessada em Michael. Uma catástrofe aparece no horizonte, quando todos os personagens se hospedam no mesmo hotel para passar o fim de semana, sem saberem uns dos outros.
Supostamente baseado na vida amorosa de Warren Beatty, apontado para ser o protagonista mas depois substituído por Peter O´Toole, com o próprio título a ser uma das suas famosas expressões, tinha Woody Allen com um dos seus primeiros trabalhos (como argumentista e um dos principais papéis). As suas obsessões familiares com os problemas que o amor e o sexo trazem para uma relação são cómicas, mas são muito mais cruas do que os argumentos que Allen escreveria mais tarde, e a sua personalidade de gozador e apaixonado estão já quase totalmente formados aqui. 
Com realização de Clive Donner, o elenco, para além de O´Toole, Allen e Peter Sellers. contava com uma constelação de estrelas: Romy Schneider, Capucine, Paula Prentiss e Ursula Anderss. 

domingo, 27 de março de 2022

Um Tiro às Escuras (A Shot in the Dark) 1964

Em Paris, na mansão de Benjamin Ballon (George Sanders), um conhecido milionário, um crime é cometido e por engano é mandado o Inspetor Jacques Clouseau (Peter Sellers), o mais atrapalhado dos detetives franceses. Enquanto as investigações avançam, novas mortes acontecem e as evidências sugerem que a culpada é Maria Gambrelli (Elke Sommer), uma empregada que trabalha na mansão de Ballon. Entretanto, Clouseau tem certeza da inocência dela e está disposto a investigar (mas sempre de uma forma pouco convencional) o caso, para descobrir quem é o culpado ou culpados das mortes.
Segundo filme na série de "The Pink Panther", e talvez o seu melhor. Novamente realizado por Blake Edwards, com muitas coisas positivas neste filme: desde a banda sonora de Henry Mancini, o brilhante trabalho de Peter Sellers, e muitas piadas bem montadas. Apenas a confiança excessiva na palhaçada fácil impedem o filme de se elevar para outro nível  no território da comédia. O elenco de apoio também é perfeito, com Elke Sommer, George Sanders, e Herbert Lom. 
William Peter Blatty, o argumentista de "O Exorcista", colaborou no argumento, tendo escrito algumas comédias, sobretudo para Blake Edwards, antes de se dedicar ao seu enorme sucesso.


domingo, 20 de março de 2022

O Mundo De Henry Orient (The World of Henry Orient) 1964

Enquanto tenta seduzir uma mulher casada (Paula Prentiss), o pianista Henry Orient (Peter Sellers) é interrompido por duas estudantes, Valerie (Tippy Walker) e Marian (Merrie Spaeth). A princípio, ele não se importa, mas como as coincidências se repetem, Henry acha que as raparigas são espias do marido da amante. Valerie acaba por se apaixonar pelo pianista.
George Roy Hill foi um realizador de Hollywood que sempre pareceu não ter uma personalidade distinta, no entanto conseguiu fazer uma série de filmes que obtiveram um enorme sucesso comercial, e também obtiveram alguns prémios, embora na maior parte dos casos a recepção da crítica não tenha sido unânime. "The World of Henry Orient" é, digamos que uma raridade no corpo da sua obra, uma história sobre o amadurecimento de jovens. Baseado num romance autobiográfico de Nora Johnson, cujo pai era a lenda de Hollywood Nunnally  Johnson, que colaborou com a filha na adaptação, tem um sabor muito distinto enraizado na imaginação das duas jovens protagonistas. 
Embora o filme, tal como o nome sugere, coloque a personagem de Peter Sellers como protagonista, este, inegavelmente, pertence às duas jovens, Walker e Spaeth, que ainda por cima nunca tinham interpretado antes, com um maravilhoso talento sem instrução inteiramente natural e consciente que dá ao filme uma energia efervescente. 

domingo, 13 de março de 2022

Dr. Estranhoamor (Dr. Strangelove or: How I Learned to Stop Worrying and Love the Bomb) 1964

"É uma das melhores comédias negras de sempre, o filme mais engraçado sobre a era nuclear e uma das obras-primas de Stanley Kubrick. "Dr. Estranhoamor" está recheado de fabulosas interpretações cómicas - destaque para Peter Sellers, que interpreta três personagens, e para a interpretação de George C. Scott -, que se integram num cenário de insanidade mal contida nesta comédia de enganos iluminada por cenas satíricas. A história começa quando o general Jack D. Ripper (Sterling Hayden) - que comanda a base da força aérea de Burpelson -, obcecado com a ideia de que os comunistas estão a tentar roubar os "preciosos fluidos corporais" dos norte-americanos, entra em loucura total e ordena um ataque imediato à União Soviética. O Presidente dos Estados Unidos (Peter Sellers) reúne-se, em desespero, com os seus conselheiros, que incluem o general Buck Turgidson (George C. Scott) e o cientista ex-nazi Dr. Estranhoamor (também interpretado por Peter Sellers). Estes não vêem outra solução senão deixar que os soviéticos abatam os bombardeiros americanos, o que constitui uma "perda aceitável" para as estatísticas. Entretanto, o embaixador soviético (Peter Bull) informa-os que a URSS possui um "Doomsday Device" - um engenho prestes a lançar bombas nucleares mal sejam atacados... O filme recebeu quatro nomeações da Academia de Hollywood, nas categorias de melhor actor (Peter Sellers), melhor realizador, melhor filme e melhor argumento adaptado (Peter George, Stanley Kubrick e Terry Southern)."
* texto Público

domingo, 6 de março de 2022

A Pantera Cor de Rosa (The Pink Panther) 1963

O incompetente e desastrado inspector Jacques Clouseau da Sûreté francesa anda há anos atrás de um notório ladrão de joias conhecido como Fantasma. Clouseau e a sua mulher Simone reunem-se, na luxuosa estância de Inverno de Cortina d¿Ampezzo, com o playboy britânico sir Charles Willingham e a princesa indiana Dala. Clouseau está seguro de poder deitar a mão ao ¿Fantasma¿ que certamente não resistirá a roubar a fabulosa joia da princesa, a célebre Pantera Cor de Rosa. Na verdade, o Fantasma é sir Charles e a sua cúmplice e amante é, nada mais nada menos, que a própria mulher de Clouseau, o que complica especialmente todas as iniciativas do inspector. Na sumptuosa casa de Roma da princesa, na sequência de um tresloucado baile de máscaras, a joia é finalmente roubada mas no fim é o infeliz Clouseau que acaba por ser acusado do furto.
"A Pantera Cor de Rosa", realizado em 1963 por Blake Edwards, foi o primeiro filme de uma série de grande sucesso de tresloucadas comédias policiais que tornaram Peter Sellers numa vedeta internacional. Uma itenerante história policial, sobre um arrojado e sofisticado ladrão internacional de joias perseguido pelo mais desastrado e incompetente inspector da polícia, é o pretexto para Edwards construir uma deliciosa comédia, recheada de gags hilariantes, como a cena do baile de máscaras com os três gorilas ou a disparatada perseguição automóvel que termina na fonte. Curiosamente, a personagem do inspector Clouseau, com o seu ar imbecil, as suas disparatadas deduções, a sua tendência para criar o caos e a destruição e o seu intolerável sotaque, não era ainda a personagem central e fulcral que acabaria por dominar todos os filmes da série. Peter Sellers cria uma personagem inesquecível e inconfundível, fruto do seu extraordinário talento para as mais sinuosas caracterizações que lhe permite, mesmo aqui, frente a David Niven, Robert Wagner, Capucine e Claudia Cardinale, roubar todas as cenas em que participa.
*Texto RTP

domingo, 27 de fevereiro de 2022

O Braço Esquerdo da Lei (The Wrong Arm of the Law) 1963

 Em Londres, quando gangsters australianos disfarçados roubam criminosos britânicos, os mafiosos britânicos em pânico procuram a Scotland Yard para eliminar a concorrência estrangeira, e regressar com as coisas ao "normal".
Com um bom elenco britânico, este agradável "capper crime" tem no centro da acção muito homor, sendo muitas vezes confundido como uma das pérolas dos Ealing Studios. Mas não era, estes estúdios já tinham deixado na paisagem cinematográfica britânica uma lacuna, que de vez em quando era preenchida com alguns bons exemplos como este. 
Constantemente divertido, este filme não é planeado em torno de gargalhadas ou grandes cenas (embora no final sejamos recompensados com uma perseguição alucinante), mas conta com grandes interpretações, como a do protagonista Peter Sellers, que por esta altura já era uma estrela britânica reconhecida, e embora este tenha sido um dos seus últimos filmes com orçamentos modestos, no ano seguinte mudaria radicalmente, graças a uma série de filmes que seriam lançados entretanto, incluindo obras como "Doctor Strangelove", "Lolita" ou "The Pink Panther". Realização a cargo de Cliff Owen.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2022

O Rato Que Ruge ( The Mouse That Roared) 1959

 Quando a sua única exportação perde o lucrativo mercado americano para um imitador barato, Grand Fenwick, o país mais pequeno do mundo, rapidamente falido por causa daquela reviravolta, declara guerra aos Estados Unidos para receber ajuda financeira pela sua derrota inevitável. Enviam uma força de invasão a Nova Iorque que chega durante um exercício militar que limpou as ruas. Vagueando para encontrar alguém para se render, descobrem um cientista com uma arma que pode destruir a terra.
Comédia clássica da Guerra Fria baseada num livro de Leonard Wibberley, um pouco datada desde a sua estreia, mas mesmo assim muito interessante, com um olhar humorístico sobre as relações diplomáticas internacionais pós Segunda Guerra Mundial. Peter Sellers teve a sua primeira oportunidade (tal como Alec Guiness) de interpretar vários papéis separados, e mostra uma pitada do que seria a sua carreira no futuro. Embora na segunda metade o filme tenha um pouco de slapstick a mais, há momentos suficientes de sátira inteligente. 
Foi um grande êxito no seu tempo, tendo estreado primeiro em cinemas de arthouse, em parte graças à presença no elenco de Jean Seberg, actriz americana que no ano seguinte brilharia em "O Acossado" de Godard. A realização era de Jack Arnold, que na década de cinquenta se havia destacado a realizar alguns dos mais importantes filmes de ficção cientifica do seu tempo. 

Imdb  

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2022

O Quinteto era de Cordas (The Ladykillers) 1955

 Um gang de cinco criminosos excêntricos aluga um apartamento de dois quartos numa casa isolada, de um beco sem saída de Londres de uma viúva octogenária, com três papagaios de estimação. O mentor do grupo, o professor Marcus, conta-lhe que são membros de um quinteto amador de cordas, e gostariam de usar a casa para aprimorar as suas habilidades musicais. Na realidade, eles planeiam roubar um banco, e usar a ingenuidade da Senhora Wilberforce, e a sua sensibilidade vitoriana a seu favor.
Lançado em 1955, a comédia negra "The Ladykillers", foi a última das grandes comédias da Ealing (embora mais duas, muito menores, tivessem sido lançadas ainda depois). Foi também o último filme do realizador Alexander Mackendrick na Grã-Bretanha, antes de partir para águas ainda mais escuras em Hollywood, com uma obra-prima do cinismo, "The Sweet Smell of Sucess" (EUA, 1957). 
 A história - cinco criminosos, disfarçados de músicos, realizam com sucesso um assalto, mas de seguida, são derrotados pela sua senhoria, aparentemente inofensiva, mas levando-os a destruirem-se uns aos outros - surgiu a partir de um sonho do escritor William Rose (que também escreveu o filme anterior de Mackendrick, "The Maggie" (1954)), e Mackendrick foi imediatamente levado pelo seu humor negro.
Alec Guinness tem mais uma enorme performance cómica como o cada vez mais desequilibrado criminoso, e mentor, Professor Marcus. O papel foi originalmente destinado a Alastair Sim, mas Guinness desempenharia o papel com aquele seu toque especial. Mas o filme, na verdade, era roubado por uma velha senhora de 77 anos de idade, Katie Johnson, como uma velhota aparentemente inofensiva, mas totalmente incansável, a senhora Wilberforce. 
 O elenco é perfeito a toda a linha: Herbert Lom, no seu primeiro papel cómico é a ameaça genuína como Louis, enquanto Cecil Parker como o major, e o enorme ex-boxeador Danny Green, também como um ex-boxeur Round One, seria díficil imaginar outros actores nestes papéis. Peter Sellers conseguiu o seu primeiro grande papel como Harry (também expressou o papagaio da senhora Wilberforce). Sellers e Lom, mais tarde, viriam a contracenar juntos em vários filmes da Pink Panther.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2022

Peter Sellers - Sempre a Rir

Considerado um dos maiores talentos cómicos da história do cinema, Peter Sellers, é descendente de um lendário pugilista luso-judeu chamado Daniel Mendoza, e filho de artistas britânicos de vaudeville. Desenvolveu as suas habilidades de mímica enquanto servia na Royal Air Force, realizando imitações de celebridades num espectáculo de 6 semanas no Windmill Theatre, em  Londres. Em 1951 juntou-se a Spike Milligan e Harry Secombe para criar o Goon Show, uma série de comédia em Rádio. Emergindo como a estrela desta serie com um repertório de personagens excêntricas, Sellers também participou nos projectos cinematográficos dos Goon, incluindo a curta "Let´s Go Crazy" (1951), e a longa metragem "Down Among the Z Men" (1952).
A partir daqui a sua carreira cinematográfica nunca mais parou, destacou-se, sobretudo em comédias, mas também participou em filmes mais sérios, tendo sido nomeado para dois Óscares, em "Dr. Strangelove" (1965) e "Being There" (1980), numa carreira que podia ter sido muito mais longa, mas que foi subitamente interrompida aos 54 anos, quando faleceu de ataque de coração. 
Tal como o nome do ciclo indica, vamos debruçar-nos sobre as suas comédias. Não todas, mas uma boa parte. Até já.