sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Proibido! (Verboten!) 1959



Dramaticamente conciso e nada subtil, mesmo para os padrões de Samuel Fuller, Verboten!, um dos seus filmes menos conhecidos (e para mim dos melhores), explora o panorama da Alemanha Ano Zero e exerce o habitual ponto de pressão melodramático com um propósito social e histórico e consciência de sensibilização. Feito com um orçamento muito baixo (como era costume), cheio de escolhas estranhas no elenco, idéias reduzidas e pedaços de histórias fragmentadas, ainda oferece, com uma força, clareza e inteligência o impacto desejado que alguns outros realizadores poderiam desejar, quando ele transporta para a atmosfera inebriante do pós-guerra, uma mistura de derrota e horror. A corrente de ameaça que permeou grande parte do mundo ocidental em tentar compreender que tipo de loucura os tinha ultrapassado, e que significava uma sociedade que tinha passado séculos construindo-se, para chegar a um estado de ruína vergonhosa, e se as forças e as pessoas que contribuíram para isso se podiam ainda esconder dentro de uma paisagem como vítimas aparentes, é explorado numa profundidade panorâmica através de uma trama de suspense.
Fuller começa com uma excelente sequência de combate prolongada (que antecipa a estrutura épica do final de Full Metal Jacket, de Kubrick ), no qual o sargento David Brent ( James Best ) e os sobreviventes da sua unidade entram na bombardeada cidade alemã de Rothbach em busca de um franco-atirador astuto. O sniper vai abatendo soldados americanos e atinge Brent na perna, mas o homem ferido consegue encurralar a sua presa e eliminá-lo. Brent desmaia e desperta para descobrir que está a ser protegido e cuidado por Helga Schiller (Susan Cummings ), uma jovem que está determinada a provar-lhe que existe uma diferença entre um alemão e um nazi. Ela tem sido aterrorizada por bombardeamentos e soldados do seu próprio lado, encarnado pelo oficial hipócrita da SS (Robert Boon ), que assumiu a casa de Helga para usar como um ponto de observação. Helga vive com a mãe inválida (Anna Hope) e o irmão mais novo, Franz ( Harold Daye ), um membro da Juventude Hitleriana, que perdeu um braço num ataque aéreo e é compreensivelmente infeliz.
Brent e Helga conseguem sobreviver ao bullying dos soldados inimigos, e finalmente Brent penetra na cidade com os soldados americanos e expulsa os demais defensores. Brent passa o tempo no hospital recuperando dos seus ferimentos, o tempo suficiente para a guerra acabar oficialmente, e assim consegue arranjar um trabalho civil em Rothbach auxiliando os militares para que possa casar-se com Helga , sem temer as políticas da confraternização do exército.
Verboten! é um filme tão áspero como muito do trabalho de Fuller, especialmente a partir da segunda metade dos anos 50, mas também sugere um projeto muito pessoal, e não apenas na forma como na matéria-prima da história que parece baseada na sua própria autobiografia, antecipando o seu The Big Red One (1980), bem como se move além do mero drama de combate de vários dos seus filmes anteriores. O imediatismo do interesse de Fuller é também evidente na sua ânsia feroz para pôr a nu não só as irregularidades do nazismo, mas também os problemas da paz, e as tentativas da narrativa para conciliar dados opostos: cultura e barbárie, conquistador e conquistado, idealista e cínico, alemanhidade e americanidade. Um dos prazeres de Verboten! é o sentido definitivo de detalhe que é fácil de perceber por toda parte, os pequenos aspectos que decoram os cenários, apesar do relativamente baixo orçamento. O cenário do pós- guerra, no microcosmo de Rothbach , é um dos alertas, para as pessoas que passam fome, e os sobreviventes dos campos de concentração. Os edifícios têm mensagens de famílias para entes queridos desaparecidos pintadas em grandes letras em negrito.
A palavra titular do filme "verboten" (proibido) tem várias conotações, aplicando-se tanto ao romance entre Brent e Helga, deixando-os perigosamente vulneráveis, como também para a sobrevivência no submundo do nazismo: pintado na parede do vagão que os Werewolves usam como quartel general, e onde Brent terminou a sua própria guerra, matando o atirador. Os emblemas do poder e a ideologia são meticulosamente substituídos, mas a verdadeira situação é muito menos óbvia. 
 
Link 
Imdb 

Nenhum comentário: