terça-feira, 14 de maio de 2013

O Gaúcho (The Way of a Gaúcho) 1952



Argentina, década de 1870. Um rico latifundiário, Don Miguel Aleondo (Hugh Marlowe), voltou de Buenos Aires para as pastagens infinitas conhecidas como pampas, para trazer ainda mais civilização de influência europeia ao seu país recém-unificado. Para os gaúchos, contudo, os selvagens, cowboys orgulhosos e violentos que vivem uma existência nómade a cuidar do gado, este desenvolvimento acabará por significar a sua destruição. Um gaúcho ferozmente independente, Martin Penalosa (Rory Calhoun), o irmão adoptivo de Don Miguel, não vê estas mudanças com bons olhos, mas Don Miguel é o seu patrão, e ele vai seguir as suas ordens. Infelizmente, o fosso entre as filosofias dos irmãos torna-se imediatamente aparente na festa de boas-vindas em casa de Don Miguel: Martin mata um gaúcho que insultou Don Miguel, como um fraco que se entrega a influências "estrangeiras". Ao contrário do seu pai, que teria visto o acto de Martin como honroso, Don Miguel concorda que Martin deve ir para a cadeia pelo seu crime, porque a idade dos governantes independentes autónomos de um governo central, está desaparecida. Para evitar uma sentença de morte, Martin é forçado a entrar no Exército, onde ele encontra um companheiro gaúcho descontente, Falcon (Everett Sloane), bem como o seu comandante: o frio, rígido, e disciplinador major Salinas (Richard Boone). Incapaz de adoptar não só a disciplina dos militares, mas também a sua filosofia de luta contra a população indígena para mais tarde "civilizar" os pampas, Martin deserta e quase imediatamente resgata a linda Teresa Chavez (Gene Tierney) depois de um ataque indio.
Baseado num romance de Herbert Childs (com uma história que parece diretamente tirada a partir do famoso poema argentino, Martin Fierro, de José Hernandez, sobre um gaúcho que é preso e, de seguida, deserta para se tornar um líder rebelde) temos o argumento de Philip Dunne, um argumentista habituado a todos os tipos de entretenimento (How Green Was My Valley, The Ghost and Mrs. Muir, The Robe, The Egyptian, The Agony eo Ecstasy), e não estava disposto a deixar que um projeto como este descesse a um melodrama escabroso, optando por um tom de melodrama "respeitável", isto é, com o frama a ser um pouco abafado. 
Não é dos filmes de Jacques Tourneur mais conhecidos, mas ainda assim é uma curiosidade. 

Link 
Imdb 

Nenhum comentário: