domingo, 19 de maio de 2013

Milho Vermelho (Hong gao liang) 1987



Primeira longa-metragem de Zhang Yimou, em 1987, "Red Sorghum" mostra muitas das características que se tornariam familiares no trabalho do realizador ao longo dos anos, desde "Raise the Red Lanter", "Ju Dou", "To Live" até "Hero", ou "House of Flying Diggers" - um foco em personagens centrais femininas fortes, uma sensação de romantismo épico e a preponderância da cor vermelha. Esta última pode parecer uma característica menor para associar-se a um cineasta, mas não nos filmes de Zhang Yimou, onde a cor carrega as conotações habituais de sangue, paixão, raiva, além de ser a cor tradicional chinesa para os casamentos, e em nenhum dos filmes do realizador a ênfase é mais colocada sobre o uso puro de imagens, simbolismo e cor do que neste filme de estreia.
A dependência das qualidades visuais para contar histórias e a sua importância ao longo da narrativa real  em "Red Sorghum" poderia ser colocada devido à inexperiência de Zhang Yimou como realizador, vindo ele de uma carreira como diretor de fotografia e de ter trabalhado em filmes de Chen Kaige como "Yellow Earth" e "The Big Parade", mas enquanto o diálogo é certamente escasso na adaptação da história épica de Mo Yan, nos livros "Red Sorghum" e "Wine Sorghum", o filme tem uma riqueza visual que elimina a necessidade de qualquer exposição excessiva, que não fornecida ocasionalmente por um narrador que examina a década de trinta do ponto de vista de como conheceram os seus avós, e deram à luz o seu pai durante um período histórico conturbado.
O material da lenda do filme de Zhang Yimou satisfaz tanto os contos populares como é um tributo subversivo para a vitalidade e resistência da cultura camponesa chinesa. Situado numa província remota do Norte, nos anos 20 e 30, a história é narrada por um homem que se lembra da vida e dos tempos dos seus avós. A rapariga é assaltada e violentada num campo, a caminho de um casamento arranjado com um idoso, cultivador de milho. Ele morre misteriosamente, e o seu violador, eventualmente, começa a viver com ela. Com o desenvolver do filme, o tom muda de claro para escuro, dando lugar ao terror e ao sacrifício, com a chegada das forças japonesas. Anteriormente um diretor de fotografia, Zhang enche a tela com imagens ricas e sensuais que iluminam e celebram a vida camponesa (acentuando os campos de milho, ou um eclipse do sol), e usa actores, música e cor de um modo profundamente expressivo. Isto, na sua estreia como realizador, confirma-o como um dos melhores e mais versáteis dos cineastas da quinta geração chinesa.
Venceu o Urso de Ouro no festival de Berlim, num ano em concorria com realizadores como Agnès Varda, Norman Jewison ou Alex Cox. 

Link 
Imdb

Nenhum comentário: