quarta-feira, 1 de maio de 2013

Fuga de Los Angeles (Escape from LA) 1996


Em 1998 um candidato à presidencia (Cliff Robertson) prega na sua campanha que Los Angeles precisa de ser "punida" pelos pecados que contém. No ano 2000 a cidade é separada do continente por um grande terremoto e transforma-se num local para onde todos os indesejáveis são remetidos. No ano 2013 o candidato do final do milénio tornou-se presidente vitalício mas a sua filha (A.J. Langer), não concordando com a política ditatorial do pai, que suprimiu uma série de liberdades individuais, rouba uma "caixa preta", que tem o poder de "desligar" todo o planeta e entrega-a ao principal líder (Georges Corraface) de Los Angeles. Assim, um aventureiro (Kurt Russell), que é um misto de herói e fora-da-lei, mas que em 1997 tinha salvo o presidente dos Estados Unidos, é "convocado" pelo actual presidente para recuperar a caixa e matar a filha, e se ele não cumprir a missão em menos de dez horas será morto por um vírus que foi colocado no seu sangue.
     Escape From New York(1981) continua a ser a dos grandes filmes de acção e sci-fi. Uma obra inteligente, imaginativa e espirituosa de fantasia, que colocava a idéia de que Nova York estava a ser transformada numa prisão de segurança máxima, num mundo de crescente violência e brutalidade. Embora o filme não tivesse feito grande coisa nas bilheteiras (além de Halloween e Starman, poucos filmes de Carpenter fizeram um bom resultado na bilheteria), rapidamente se tornou numa grande peça de culto e os fãs pediram outra aventura de Snake Plissken. Em 1996, Carpenter e o seu protagonista preferido, Kurt Russell, finalmente cederam à pressão, e fizeram uma sequela.

Mais uma vez, Plissken é colocado na posição de ter de salvar o mundo - uma tarefa que ele realmente não gosta de fazer. Com o seu tipo de cansado do mundo, é, em muitos aspectos, um ainda mais escuro anti-herói do que tinha sido no primeiro filme. Claramente inspirado na personagem lacónica de Clint Eastwood, o "Man with No Name", Snake caracteriza uma figura impressionante deslizando através de uma paisagem pós-apocalíptica, impulsionado pelo desejo de auto-preservação em vez de um desejo de ajudar um mundo em que ele não tem mais nada a ver.
     O argumento de Carpenter, Russell e da produtora Debra Hill trabalha sobre um determinado comentário social - Se "They Live" (1988) era uma crítica da era Reagan, "Escape from LA" tem o mesmo efeito sobre a administração Bush. Enquanto o presidente no primeiro filme (interpretado por Donald Pleasence) era humildemente ineficaz e sensível, desta vez o presidente (interpretado com fervor religioso por Cliff Robertson) é um louco que é capaz de tudo para atingir o seu objectivo.

Foi rodado com orçamento consideravelmente grande, mas morreu rapidamente no box-office. As crtiticas não foram muito positivas, no entanto, foi defendido ferverosamente por Roger Ebert (que normalmente não era muito apreciador de Carpenter). Embora longe de ser dos melhores trabalhos do seu talentoso realizador, ainda é muito melhor do que a média dos filmes pós-apocalípticos. 

Link 
Imdb 

Nenhum comentário: