sábado, 4 de maio de 2013

A Vítima do Medo (Peeping Tom) 1960



MarkLewis é um jovem tímido que trabalha como cenografista num estúdio de cinema, com aspirações de se tornar um realizador. Ele complementa o seu parco salário a tirar fotos pornográficas para revistas e a aluguer quartos na casa que herdou do seu pai. Embora aparentemente normal, Mark é vítima de uma obsessão obscura e perigosa: ele tem um prazer macabro de ver os outros sofrerem. Certa noite, ele segue uma prostituta e mata-a, filmando todo o incidente com a sua câmera portátil. Essa vai ser a sua nova obsessão.
Um dos maiores filmes de terror britânicos de todos os tempos, e um dos mais controversos, Peeping Tom marca um surpreendente novo rumo para o seu realizador Michael Powell. Na década de 1940, através da sua associação com Emeric Pressburger, Powell tornou-se uma das principais figuras da indústria cinematográfica britânica, com a elaboração de obras-primas intemporais como The Life and Death of Colonel Blimp (1943), A Matter of Life and Death (1946) and The Red Shoes (1948). Peeping Tom é um filme muito mais sombrio e muito mais complexo psicologicamente do que qualquer coisa que Powell tivesse feito anteriormente, embora o realismo mágico e a ironia de seus filmes anteriores seja vista várias vezes. O filme não foi bem recebido na sua primeira versão e a corrente de críticas negativas que despertou, efetivamente terminaram a sua carreira no cinema.
Curiosamente, Peeping Tom foi lançado poucos meses antes de Psycho, de Alfred Hitchcock (1960), um filme que tem muitas semelhanças com o de Powell e com o qual é muitas vezes comparado. Ambos apresentam um psicopata perigoso que é retratado como um ser jovem e simpático, embora um pouco sinistro, ambos têm uma natureza gráfica violenta, e ambos têm o voyeurismo como tema central. Considerando que “Psycho” foi um sucesso enorme de bilheteira, garantindo a reputação internacional do seu realizador, Peeping Tom foi submetido a uma remontagem desajeitada e acabou por ser um desastre comercial. Alguns críticos descreveram o filme de Powell como repugnante, outros disseram que era perverso. Quando o filme foi restaurado no final da década de 70, graças, principalmente, aos esforços de alguns admiradores notáveis como Martin Scorsese, foi universalmente aclamado como um dos maiores triunfos do cinema britânico. Talvez a recepção hóstil que Peeping Tom teve na sua primeira versão, possa ter menos a ver com seu conteúdo de horror (o que é insignificante para os padrões actuais) e mais a ver com o seu significado – que o cinema é inerentemente uma forma de arte voyeurista, que depende crucialmente dos instintos voyeuristas do público. Desde a sequência de abertura, Powell faz uma identificação entre o personagem central, que logo é revelado como sendo um assassino, e a audiência. O facto de Mark Lewis ser retratado não como um vilão, mas com simpatia, como uma vítima trágica, fortalece essa identificação com o espectador e somos atraídos cada vez mais para o seu mundo escuro e solitário. Nós tornamos-nos cúmplices dos crimes que comete, e que ele faz não por maldade, mas em resposta a impulsos psicossexuais torturados decorrentes de uma infância traumatizada. O voyeur real neste filme não é o protagonista, mas nós, a plateia.
Peeping Tom é um filme muito mais sombrio, muito mais inquietante do que Psycho, superando-o em termos de complexidade narrativa, tanto a nível de interpretações (Carl Boehm e Anna Massey são excelentes) como fotografia. Pode não ter os choques memoráveis de Psycho, mas é mais bem sucedido a atrair o público para dentro da mente de um psicopata, e ao mesmo tempo dando um sentido mais profundo do que significa o voyeurismo. Longe de ser tão chocante como alguns críticos pensavam que era, Peeping Tom é realmente um filme moral, que alerta para os perigos de retratar a violência excessiva no cinema.

Link
Imdb

Nenhum comentário: