domingo, 2 de junho de 2013

Napoleão (Napoléon) 1927



Napoléon, do cineasta francês Abel Gance, é um épico experimental que alcançou o status de lenda, e com razão. A história do jovem Napoleão Bonaparte (o filme mostra o seu desenvolvimento desde a idade escolar até à idade de 27, quando invadiu com sucesso a Itália) é apresentada como uma festa visual que mantém a produção de luxo cena após cena, tão deslumbrante como a anterior.
O filme é uma tour de force cinematográfica e contém uma infinidade de cenas memoráveis​​, desde uma luta de bolas de neve na escola de Napoleão a uma cena com a sua águia de estimação, ou outra em que uma multidão aprende o novo hino nacional francês, e o climax tríptico tricolor que mostra os desejos de Napoleão  para si e para o seu país. Numa sequência, durante uma perseguição a cavalo pelo campo, Gance fixa a câmera na sela do cavalo, a fim de nos dar o ponto de vista de Napoleão. São cenas de que muito se pode falar, pois demonstram a habilidade do realizador e da alegria que ele encontrou ao contar a história de aventura da ascensão de Napoleão ao poder.
Desde o início, fica claro que Napoleão Bonaparte é um pouco arrogante e impaciente, mas em vez de querer provocar, ele age de orgulho e preocupação pelo seu país. Nascido na Córsega em 1769, quando a França tinha conquistado a ilha, ele vê-se como francês, apesar dos seus colegas de escola não concordarem muito. Napoleão tem um enorme sentido da estratégia - como se torna evidente numa luta brilhantemente encenada contra outros jovens, que ele ganha mesmo estando em grande desvantagem e subestimado - e um amor genuíno para com a França. É destemido e a sua audácia leva-o a um momento em que se pode comparar com a sequência de "Birth of Nation" quando a bandeira confederada é resgatada das linhas de frente da União Europeia. Mais tarde no filme, pouco antes da molhada Batalha de Toulon, Napoleão dá ordens a um dos seus oficiais para substituir um canhão. Quando o funcionário diz que é impossível, Napoleão declara firmemente: "Impossível não é francês!" 
Uma das obras primas do cinema mudo, Napoléon de Abel Gance é uma obra monumental, mas inacabada, originalmente concebida como uma série de produções que cobriam a totalidade da vida de Napoleão. Gance foi incapaz de prosseguir o filme para além da campanha italiana de 1796, a primeira operação expansionista maior de Napoleão, altura em que a produção ficou sem dinheiro. Em vez de uma série de filmes, Gance acabou com um enorme épico incompleto, teria seis horas e meia de duração originalmente, mas cortada pela distribuidora americana MGM para menos de uma hora e meia para o seu lançamento nos EUA em 1929. Devido a esta carnificina "Napoleão" foi um fracasso nos EUA, e Gance nunca mais foi capaz de ter dinheiro para contar o resto da história de Napoleão.
Nas décadas seguintes Gance tentou mexer no filme, produzindo versões que variavam em duração de 135 minutos a 275 minutos. O épico original de seis horas de duração, no entanto, pensava-se perdido, até que uma restauração em 1979 reconstituiu aproximadamente dois terços do filme original, cuidadosamente remontado e restaurado pelo historiador de cinema Kevin Brownlow e com uma banda sonora original de Carl Davis. Dois anos depois, uma versão editada desta restauração foi lançada nos EUA por Francis Ford Coppola - que tinha patrocionado o trabalho de Browslow - com uma nova banda sonora de Carmine Coppola, pai de Francis.
Desde então, Brownslow concluíu, pelo menos, mais duas restaurações, e, a sua melhor e mais recente  versão é de 2000, correndo cerca de 5 horas e meia. Infelizmente, devido aos direitos exclusivos nos EUA de Coppola, esta versão ideal nunca ficou disponível nos EUA.
Esta é versão aqui presente, com intertitles em inglês.

Parte 1 
Parte 2 
Imdb 

Nenhum comentário: