sábado, 15 de junho de 2013

Trono de Sangue (Kumonosu-Jô) 1957



Trono de Sangue, de Akira Kurosawa, é um revisionamento de Macbeth, de William Shakespeare através da lente histórica do Japão feudal e das convenções estéticas do Noh Theater, é uma obra-prima da imaginação expressiva. Inebriante, violento, e intensamente melodramático, filtra temas como a ganância, o poder, e a luxúria através de elementos visuais que são tão ricos e densamente texturizados que têm vida própria. Os elementos naturais como o nevoeiro, a chuva e densidade impenetrável ​​de uma floresta infestada de espíritos tornam-se personagens que medeiam a história de um guerreiro que perde a sua humanidade em sua busca do poder.
A história de Macbeth é, naturalmente, muito conhecida no Ocidente, e encaixa-se muito bem com os interesses temáticos de Kurosawa. Ganância e egoísmo foram elementos importantes no filme da sua descoberta Rashomon , em 1950, mas aqui assumem um tom ainda mais cinzento, beirando o niilismo. Um destino pesado paira sobre tudo o que acontece em Trono de Sangue, e os personagens aparecem no final como fantoches, com as suas cordas dedilhadas e puxadas exactamente como foi profetizado, e as suas débeis tentativas para orientar as vidas, fazendo escolhas ilusórias e passageiras.
A história passa-se algures no século 15, uma época em que o Japão feudal estava dividido por clãs rivais que andavam constantemente em lutas de poder e traição. Quando o filme começa, dois guerreiros, Washizu (Toshirô Mifune, actor preferido de Kurosawa, interpretando o personagem Macbeth) e Miki (Akira Kubo, interpretando o personagem Banquo), têm mostrado grande bravura na batalha. Enquanto andavam pelo labirinto de uma floresta, no caminho de volta para o castelo do seu senhor, eles deparam-se com uma velha bruxa (Chieko Naniwa), que diz que eles serão ambos ascendentes para a proeminência. 
A profecia da bruxa torna-se realidade nessa mesma noite, já que os dois são promovidos e fazem deles senhores de dois castelos importantes. A esposa de Washizu (Isuzu Yamada), cuja aparência e maneirismos físicos são assustadoramente semelhantes aos da bruxa, convence-o de que ele precisa de continuar a consolidar o poder, o que implica, eventualmente, assassinar o senhor do seu clã e assumir o poder total. A cada passo de Washizu em direcção ao poder, torna-se cada vez menos humano, acabando por convencer-se a si mesmo (com a ajuda de uma outra profecia que ele fatalmente não entende) que ele é, na verdade, invencível.
Ao adaptar Macbeth, Kurosawa manteve os parâmetros gerais da história de Shakespeare e a maioria dos personagens principais, mas o que ele estava interessado, principalmente, era nos temas sobre a persistência da natureza humana. O facto de que as mesmas fraquezas humanas podem caracterizar um rei escocês ou um guerreiro japonês feudal de diferentes épocas, diz muito sobre a universalidade da humanidade e as suas fraquezas. Washizu é, como Macbeth, um homem bom, mas um homem de mente fraca e facilmente manipulado, que permite que sua ganância o consuma, e paga o preço no final. É, naturalmente, uma tragédia, que ressoa através dos tempos por causa das verdades básicas que evoca sobre o desejo humano e suas consequências.
No entanto, o que faz Trono de Sangue um grande film é o modo com que Kurosawa invoca estes temas visuais. Tem sido muitas vezes saudado como uma das maiores adaptações fílmicas de Shakespeare porque Kurosawa encontra uma voz completamente cinematográfica à narrativa de Shakespeare.

Link 
Imdb 

Um comentário:

Anônimo disse...

O Link já não funciona?
Abraço