sábado, 22 de junho de 2013

A Religiosa (La Religieuse) 1966



Um retrato assustador da repressão e da hipocrisia religiosa, a adaptação de Jacques Rivette do romance inacabado de Denis Diderot pressagia o posterior filme do realizador, "Joan of Arc" e ajudou a estabelecê-lo como um dos expoentes da Nouvelle Vague francesa. O tema do filme e do escândalo que provocou eram apropriados para o momento em que foi lançado, na véspera da grande rebelião da juventude de maio de 1968. Embora passado no século 18, o filme provou ser altamente relevante para a década de 60. 
A ironia é que "La Religieuse", um drama histórico modesto e austero, provavelmente teria passado sem muito furor se vários grupos de pressão (incluindo associações de pais no ensino privado) não exercessem pressão sobre a Igreja Católica e o governo francês, para proibirem o filme mesmo antes de ter sido feito. Jean-Luc Godard tinha montado anteriormente uma produção teatral do romance de Diderot, em Paris, com Anna Karina no papel principal, e isso não tinha despertado o menor sinal de escândalo. Apesar da crescente oposição ao filme, Rivette conseguiu completá-lo, mas a permissão para que ele fosse lançado em 1966, foi revogada no início daquele ano. Uma proibição total sobre a distribuição do filme foi imposta por Yvon Bourges, o secretário de Estado no Ministério da Informação.
O que então se seguiu então foi uma batalha feroz entre a intelectualidade artística, liderada por Jean-Luc Godard, e os representantes da Igreja Católica, que estavam convencidos de que o filme era tanto blasfemo como difamatório. O recém-nomeado ministro da Informação, André Malraux não conseguiu impedir La Religieuse de ser mostrado no Festival de Cannes em 1966 e as suas acções serviram apenas para ampliar o abismo entre um governo que agora estava a parecer autoritário e fora de controlo, e uma cada vez mais turbulenta cultura jovem. Embora a proibição fosse levantada em 1967, o filme foi avaliado para maiores de 18 anos, que permaneceu em vigor até 1975. Quando La Religieuse foi lançado em julho de 1967, foi um sucesso de bilheteira notável, graças à ampla publicidade em torno da sua proibição. 
Aqueles que viram La Religieuse quando foi lançado pela primeira vez devem ter sido surpreendidos pelo seu conteúdo, porque não havia nada neste filme para provocar o escândalo de que a Igreja Católica temia. Fiel ao romance de Diderot, o filme não faz nenhum comentário directo sobre questões contemporâneas e é extremamente contido, deixando de fora a temática lésbica e deixando claro que condena as pessoas más, e não a igreja ou a fé cristã. La Religieuse é realmente um filme altamente moral do tipo que a Igreja Católica deveria ter aprovado, uma vez que afirma a verdade auto-evidente que apenas aqueles que têm uma verdadeira vocação estão aptos a dedicar a vida à sua religião. É difícil perceber como uma obra tão inofensiva pode se ter tornado objeto de uma reacção tão reacionária. Na verdade, esta reacção, disse muito mais sobre a Igreja e os seus partidários do que o próprio filme fez. 
Num papel que deve ser dos seus mais memoráveis do cinema, Anna Karina tem um desempenho notável, oferecendo um retrato comovente da resistência que deve ter ressoado com o público. Através da sua associação com os realizadores da Nouvelle Vague (em particular, o então seu marido Jean-Luc Godard), Karina tornou-se estreitamente identificada com a mulher moderna, liberada da década de 1960, e por isso o seu papel principal no elenco do filme foi uma escolha inspirada e apropriada.
 Cá por Portugal, o filme só estreou depois do 25 de Abril, em 1975.

Link 
Imdb 

Nenhum comentário: