segunda-feira, 3 de junho de 2013

Limite (Limite) 1931



O escritor e poeta brasileiro Mario Peixoto dirigiu o seu único filme, "Limite", quando era muito jovem, e nunca mais fez outro filme. "Limite" permanece, assim, como um artefacto romântico, uma obra de vanguarda, muitas vezes esquecida e negligenciada. O filme tem um cenário simples e icónico, no qual duas mulheres (Olga Breno e Tatiana Ray) e um homem (Raul Schnoor) derivam num barco, com as roupas gastas e rasgadas, a fonte de alimento quase esgotada, e umas expressões oprimidas e miseráveis. Enquanto eles navegam no barco, sem rumo, flutuando na água tranquila, eles recordam o passado e contam histórias uns aos outros. Uma das mulheres é uma fugitiva da prisão, o homem estava envolvido num triângulo amoroso trágico que terminou com a perda da sua amante, mas as suas histórias não são o verdadeiro foco do filme. Os flashbacks são elípticos e resumidos, com muito pouco conteúdo narrativo. As únicas legendas aparecem num breve trecho no final do filme, durante uma conversa entre o homem e um pretendente rival (Brutus Pedreira), ambos de luto pelo amor perdido. Durante a conversa, o filme inesperadamente muda-se para o território do melodrama tradicional silencioso, com Peixoto a filmar os olhares carregados que passam entre os homens, enquanto as legendas relacionam as poucas linhas de diálogo tenso, irritado, que constituem quase a totalidade do conteúdo verbal do filme , embora haja também um pequeno texto na capa de um jornal que relata a história da fuga da prisão, da mulher.
Estes pedaços de texto são apenas concessões de Peixoto para impulsionar a narrativa. O resto do filme oscila à beira da abstracção, e os relatos, tais como são, são imprecisos e simples. Peixoto parece menos preocupado com a transmissão de dados tangíveis ou contar histórias particulares tanto como explorar situações emblemáticas. Ele está interessado no conteúdo emocional na sua forma bruta, por isso as histórias relacionadas com os flashbacks esboçam apenas os contornos da vida desses personagens, enfatizando a dor e a angústia que sentem em vez dos eventos particulares que os trouxeram a este estado. Peixoto conta com o telespectador para ligar os pontos, para ser varrido na poesia emocional dessas paisagens naturais, muitas vezes vazias, melancólicas, como pequenas ruas da cidade, o céu nublado ou as ondas do mar. 
As suas melhores sequências são poéticas e comoventes de modos misteriosos que são difíceis de articular, e para cada sequência sem rumo, de alguém caminhando por uma estrada de terra, há uma imagem de proximidade emocional surpreendente. A certa altura, uma das mulheres, chateada com alguma coisa, vai para um penhasco com vista para o mar e para a costa embaixo. A câmera, olhando por cima do ombro, começa a balançar e agitar a sua simpatia com a confusão mental, transformando em arcos graciosos da costa para a água, e então começa a girar rapidamente, em círculos de 360 graus. Esta desorientação reflecte perfeitamente o estado mental da mulher, que está assolada por uma misterioso desespero que a levou a este estado desolado.
A poesia visual menos directa de Peixoto pode estar afectada, como quando o clímax do filme, com alguns minutos de ondas a quebrarem-se contra as rochas, colagens frenéticas com uma montagem rápida muito mais irregular e acelerada do que qualquer outra coisa no filme. Há uma dimensão literal para essa sequência, como uma representação dos mares tempestuosos que, finalmente, destroem o barco no final do filme, mas o mais importante é um clímax emocional totalmente abstrato, um pico de sentimentos frenéticos e desesperantes, a turbulência da água em pé para a crise nas mentes dos protagonistas.

Link
Imdb

Nenhum comentário: