sábado, 23 de março de 2013

Uma Rapariga em Cada Porto (A Girl in Every Port) 1928



Este filme mudo de Howard Hawks, de 1928, é tanto um vislumbre singularmente fascinante do desenvolvimento da estética e da temática precose do realizador, como uma interessante peça de entretenimento e acção/comédia. E, como seria comum na obra posterior do realizador, que mais tarde se tornaria conhecido pelos seus dramas sobre grupos de homens em situações de alta pressão, é essencialmente uma "buddy comedy". Mais do que isso, é praticamente uma história de amor, um romance, sobre o desenvolvimento de uma amizade masculina mais perto do que qualquer relacionamento tradicional romântico. É a história do marinheiro Spike (Victor McLaglen), que nas suas viagens à volta do mundo é atormentado por um marinheiro misterioso que vai deixando sua marca (uma âncora com um coração) com as meninas que Spike se tenta envolver quando vai à terra. Quando ele finalmente aborda o outro marinheiro, Bill (Robert Armstrong), os dois previsivelmente brigam, mas logo encontram camaradagem na sua aversão compartilhada para a polícia, que chegam para os separar. Depois de passarem uma noite bêbados vagueando pela cidade, eles tornam-se amigos inseparáveis​​, alistando-se no mesmo navio e partindo para a farra juntos. 
A amizade de Spike e Bill, e as suas viagens de porto em porto fornecem a Hawks uma base simples, mas dinâmica para construir para construír um número considerável de sequências cómicas e de aventura. O filme é, frequentemente, um motim, mantendo o uso de intertítulos a um mínimo e comunicando o humor picante através da fisicalidade crua da acção. Hawks raramente recorre a um título para vender uma piada, e os poucos títulos são usados na sua maioria apenas para fazer uma exposição necessária ou configurar uma mudança de local sempre que o navio se move. Na ausência de diálogo ou de texto, o humor vem todo da selvageria da acção, ou das nuances das interpretações dos atores.
A atitude do filme em relação ao sexo é ainda mais evidente na representação das próprias mulheres, que naturalmente nunca vão além do status de objetos sexuais vazios, mas que, no entanto, têm a hipótese de ser excepcionalmente atraentes e abertas na sua sexualidade. Maria Casajuana, como uma jovem local num porto sul-americano, é uma mulher particularmente electrizante, uma beleza deslumbrante que tem um impacto sensacional nos apenas poucos minutos em tela. Há outras visões tentadoras de mulheres intrigantes neste filme, Louise Brooks (a diva deste filme), que aparece como uma personagem parisiense e deslumbra-nos através do terço final do filme . Este foi o papel que, essencialmente impulsionou Brooks para a fama, que a conduziu directamente para o seu papel posterior em "Pandora's Box", de  Pabst, e ela interpreta exatamente o tipo de protótipo de femme fatale com o qual ela viria a ser identificada.
Brooks tinha 22 anos nesta altura, e ficou conhecida sobretudo pelo seu corte de cabelo, que deixou fascinadas milhares de mulheres em todo o mundo. A sua carreira não foi muito longa, depois de "Pandora's Box", a sua entrada no sonoro não teve muito sucesso. Ainda entrou em meia dúzia de filmes, até terminar a carreira em 1938, com apenas 25 filmes rodados. 

Link
Imdb

2 comentários:

ajanelaencantada disse...

Nunca vi este filme, mas sou fã da Louise Brooks de "Pandora's Box". Um bom início para o ciclo, e mais um filme para a minha lista.

Anónimo disse...

Quando puder, gostava que coloca se o link de download a funcionar. Obrigado, sergio