domingo, 31 de março de 2013

Se...(If...) 1968



"Se", de Lindsay Anderson, ... é uma dura e inflexível visão do pesadelo da sociedade britânica como uma cultura doentiamente obcecada com a tradição, trancada em rituais brutais, quase fascistas e cegos, encobrindo o respeito pela autoridade. Passado num colégio de rapazes britânico, onde a disciplina é draconiana e completamente sem racionalização, o filme examina as pressões peculiares colocadas em jovens numa sociedade onde as virtudes militaristas como a lealdade, obediência, servidão e conformidade são exemplos a manter. Esta escola estabelece uma cadeia rigorosa de comando, selecionando os mais obedientes dos rapazes mais velhos como "chicotes", que então se tornarão disciplinadores, mantendo os mais novos sob controle. O resultado é que a escola parece estruturada não tanto para a educação real mas para a doutrinação e controle - a única coisa que estes rapazes aprendem é que, para sobreviver, eles precisam de aprender as regras. Anderson faz malabarismos com várias histórias ao longo da primeira metade do filme, mostrando a forma como a escola é gerida a partir de múltiplas perspectivas.
Jute (Sean Bury) é um novo aluno da escola, e fornece-nos a perspectiva do recém-chegado nas primeiras cenas do filme, olhando para o caos ao seu redor com olhos arregalados e aterrorizados. Rapidamente é tomado sob a asa de outro aluno, que pressiona sobre ele a importância da obediência, de aprender as regras rapidamente e ser capaz de passar nos testes complicados que lhe serão impostos. Jute é ícone da nocência do filme, uma testemunha geralmente silenciosa e angelical para os horrores que o circundam, confuso e desanimado com o que vê, sem vontade de ser moldado para estas coisas, frias e brutais como este lugar parece projetado a produzir. outros rapazes à deriva em torno dos limites do filme, como um perdedor magricela que está constantemente a ser espancado, um rapaz gordo, e um intelectual que geralmente enterra-se no seu telescópio ou nos estudos. Mas o filme, rapidamente, se centra em torno do trio de rebeldes da escola, os três amigos que se recusam a obedecer, que se recusam a curvar-se educadamente ante a disciplina inútil e a crueldade deste lugar. Mick (Malcolm McDowell) é o líder do trio, com Johnny (David Wood) como o seu melhor amigo e co-conspirador, e Wallace (Richard Warwick) como o amigo de raciocínio lento. Esses três jovens têm a única reação razoável aos regulamentadores absurdos do poder, como Rowntree (Robert Swann) e Denson (Hugh Thomas).
Anderson apresenta este colégio como um lugar desagradável, sufocante, acumulando incidentes irritantes atrás de incidentes irritantes, até parecer óbvio que alguma coisa tem de quebrar, que ninguém poderia sustentar, durante muito mais tempo, esta tensão e pressão. 
"Se..." está dividido em oito capítulos, cuja primeira função é estabelecer as tradições da vida da escola pública ("Return", "Term Time") e, de seguida, como esse sistema molda as personagens principais ("Discipline"), e radicaliza-los ("Resistence" , "Forth to War). Esta estrutura depende do quarto capítulo "Ritual and Romance", um interlúdio poético que é parte mais visualmente suculenta do filme, onde os personagens saciam a juventude e liberdade antes de serem suprimidos pelo chicotes. Na primeira das duas cenas de amor Wallace seduz a loira Bobby Philips (Rupert Webster), através da rotina na ginástica. Na segunda Mick e Johnny roubam uma motocicleta e acabam num café onde Mick seduz a sexy empregada (Christine Noonan). Esta é a única sequência que ocorre fora da escola . 
 Malcolm McDowell, o protagonista, ficaria moldado para papéis rebeldes, e poucos anos depois protagonizaria o enorme "Laranja Mecânica". Este filme ganharia a Palma de Ouro em 1969.

Link
Imdb

Nenhum comentário: