quarta-feira, 27 de março de 2013

Asas (Wings) 1927



Dada a profundidade e amplitude das tecnologias dos efeitos especiais disponíveis agora na era digital, ninguém poderia imaginar que um filme sobre a Primeira Guerra Mundial, com combates aéreos rodados em 1927, quando o som sincronizado ainda era uma novidade, e parece pitoresco, na melhor das hipóteses, um filme com tão pouca tecnologia ser tão encantador. As sequências de acção emocionantes derivam do seu poder, precisamente da falta de tecnologia de efeitos especiais, disponíveis na altura. Sem CGI e ou telas verdes, o realizador William A.Wellman não teve escolha, e montou câmeras em aviões reais e enviou-os para o céu. Com o filme acadado, há alguma impressão óptica em algumas cenas, e close-ups de aviões colidindo encenados, mas a maioria das batalhas aéreas foram filmadas de forma muito real, com os verdadeiros Spad VII, Fokker D.VII ', e MB-3 cortando as nuvens com verdadeiros actores no comando, a lente da câmera montada e apontada directamente para eles, para causar o máximo impacto e para garantir que o público não tinha dúvida do que estavam a ver.
Não surpreendentemente, "Wings" foi um sucesso de público no final dos anos 20, um dos últimos dos grandes filmes mudos antes do arranque do som sincronizado (foi o primeiro e o último filme mudo a ganhar o Oscar de Melhor Filme). O público da altura estava encantado com o mistério e a maravilha dos aviões, especialmente desde que Charles Lindburgh tinha acabado de fazer o seu histórico vôo transatlântico. Apesar de ter havido dezenas e dezenas de filmes sobre a Primeira Guerra Mundial, já desde a primeira guerra mundial, poucos simulavam o combate aéreo, e os que o faziam baseavam-se em miniaturas e gravações militares. Assim, "Wings" foi um filme inovador, trazendo ao público um aspecto relativamente inexplorado da guerra através de uma nova abordagem cinematográfica. A importância do espectador na experiência de batalha aérea foi agravada tanto pelo uso de efeitos sonoros atrás da tela, incluindo o barulho de motores de avião, o ra-tat-tat das metralhadoras, e o barulho das colisões, mas também o uso do Magnascope, um sistema que permitiu ao projecionista ampliar substancialmente a imagem durante as sequências de acção.
Com uns longos 144 minutos na sua versão mais completa, "Asas" tem espaço de sobra para tirar o drama entre as sequências de acção. Infelizmente, a enormidade literal das sequências de batalha aérea tornam o drama, que não envelheceu muito bem, um pouco penoso. O argumento de Hope Loring e Louis D. Lighton sobre uma história de John Monk Saunders centra-se em dois pilotos rivais da mesma cidade: Jack Powell (Charles Rogers), um rapaz da classe média que alimenta a sua necessidade de velocidade, e David Armstrong (Richard Arlen), filho da família mais rica da cidade. A tensão entre os dois homens não é só económica como também é romântica. Jack é apaixonado por Sylvia Lewis (Jobyna Ralston), uma jovem da grande cidade, cujo coração já pertence a David, mesmo que Jack esteja demasiado ferido para perceber isso. Ele também é deliberadamente cego para com a sua vizinha, uma doce rapariga chamada Mary, que é interpretada por Clara Bow, a literal "It Girl" do final dos anos 20 que recebe honras de cabeça de cartaz, mesmo aparecendo em menos de um quarto do filme. Bow, a diva deste filme, lançanda neste papel foi claramente destinada a atrair o público, especialmente tendo em conta que Rogers e Arlen eram actores desconhecidos na altura.
Se os elementos românticos nem sempre funcionam, a camaradagem e a amizade crescente entre Jack e David trazem uma autenticidade comovente (que leva a uma cena de morte dramática no final que muitos interpretaram mal, como indicando um desejo homossexual reprimido). O espaço da narrativa também permite um pouco de humor e distração, através de Herman Schwimpf (El Brendel), um recruta alemão-americano que está constantemente a ter que provar o seu patriotismo inatacável mostrando uma tatuagem da bandeira americana. 

Link 
Imdb

Nenhum comentário: