sábado, 30 de novembro de 2013

O Santo dos Pobrezinhos (Francesco, Giullare di Dio) 1950



Roberto Rossellini fez este filme como uma verdadeira celebração do cristianismo ideal - os benefícios da abnegação absoluta, a humildade e o amor. É um filme bastante simples, que não pretende ser outra coisa senão aquilo que é, que alguns espectadores podem achar simplista demais. Na verdade, nos tempos que correm, tanta simplicidade no filme pode fazê-lo parecer muito ingénuo, e nos faz pensar como o autor por trás de obras neo-realistas corajosas como Roma Cidade Aberta (1945) poderia mergulhar tão facilmente numa série desconexa de vinhetas nas quais monges franciscanos ilustram o potencial da bondade humana.
Ironicamente, Rossellini fez "Francesco, Giullare di Dio", durante um dos períodos mais difíceis da sua vida, quando o seu caso de adultério com a atriz Ingrid Bergman era o assunto de conversa e eles estavam a ser literalmente denunciados no Congresso dos EUA. O filme, então, é uma afirmação de esperança num momento de grande desespero, não só para Rossellini, mas para a Itália e para a Europa e o mundo em geral, que ainda estava a começar a emergir das cinzas escaldantes da Segunda Guerra Mundial .
Co-escrito pelo protegido de Rossellini, Federico Fellini e uma dupla de monges, o Padre Antonio Lisandrini , e o Padre Félix Morion, "Francesco, Giullare di Dio" é muito diferente da maioria dos filmes de Rossellini , mas só superficialmente. Assim como os filmes neo-realistas, este também emprega actores não profissionais para preencher quase todas os papéis, neste caso, os membros do Nocera Inferiore Monastery que desempenham os papéis de São Francisco de Assis (conhecido como "Santo do Povo") e os 13 monges que o seguem. O único actor profissional no filme é o cómico Aldo Fabrizi, que interpreta (e muito bem) um tirano bárbaro que, eventualmente, é conquistado pela abnegação absoluta de um dos monges .
Também como os filmes neo-realistas, este também não emprega uma narrativa típica de Hollywood. Na verdade, Rossellini leva-o na direção oposta ao estruturar o filme em volta de uma série de histórias desconexas, cada qual invocando um traço humano positivo. Algumas das histórias são um pouco cómicas, enquanto outras são mais sustentadas e sérias, mas todas eles têm em comum uma espécie de alegria universal que toca tanto como sendo sincera ou irremediavelmente piegas, dependendo do nosso ponto de vista.
Apesar do título do filme, Rossellini esforçou-se para não concentrar o filme em São Francisco, enfatizando, assim, o coletivo sobre o individual. Na verdade, se há personagem a quem é dado destaque no filme, é o irmão Ginepro, que aparece como um enorme destaque na parte final da história. Ginepro é uma alma eminentemente simpática, um rapaz simples, infantil que anseia por fazer o bem. Infelizmente, Ginepro é interpretado de um modo um pouco simplista, o que torna a sua bondade inerente parecer um subproduto da sua falta de inteligência.

Link
Imdb 

Nenhum comentário: