sábado, 9 de novembro de 2013

O Monstro do Planeta Vénus (20 Million Miles to Earth) 1957



O filme de Nathan Juran difere da maioria dos filmes de monstros de sci-fi, porque o monstro mostra-se cedo e frequentemente. Isto porque teve a sorte de ser criado e animado por Ray Harryhausen, que, mesmo na era dos computadores ainda impressiona, com alguns dos truques utilizados (o monstro respira, abana a sua cauda, etc.) Um grupo de pescadores sicilianos encontra uma nave americana caída e resgata uma espécie de ovo que eventualmente dá vida a uma pequena besta verde. A atmosfera do nosso planeta em breve faz com que ela cresça em proporções gigantescas, e em pouco tempo começa a criar desordens no Coliseu de Roma. A principal desvantagem: a besta de Harryhausen tem muito mais personalidade do que os seres humanos do filme.
"20 Million Miles to Earth", uma espécie de monstro de Frankenstein raptado de Vénus, é uma das primeiras obras de arte de Harryhausen, de empatia e imaginação. Na verdade, a única reclamação verdadeira sobre este filme, e também de outros produzidos ao longo da carreira da sua carreira é que as suas criações são muito bem animadas, e por vezes infinitamente mais interessantes do que os colegas do elenco, os actores vivos.
Harryhausen tinha colaborado com o animador de stop-motion Willis O'Brien numa variação de "King Kong", "Mighty Joe Young", e seguiu uma carreira a solo, quatro anos depois, com "The Beast from 20,000 Fathoms". Os fãs vão lembrar-se dele por uma série de filmes feitos na década de 50 e início dos anos 60, extrovertidos filmes de ficção científica, como "It Came from Beneath the Sea" (1955), "Earth vs. the Flying Saucers" (1956 ), e também, "The Seventh Voyage of Sinbad" (1958), "Mysterious Island" (1961), e, claro, "Jason and his Argonauts", e familiares.
Como a maioria das narrativas de ficção científica da década de 1950, 20 Million Miles to Earth está preocupado com o consenso e a cooperação. Nestes filmes temos um especialista (normalmente de formação militar ou científica) que deve convencer tanto as autoridades como a comunidade em geral da existência de uma força invasora, e a possibilidade de usar meios pacíficos ou agressivos para lidar com a ameaça potencial. Neste caso em particular a existência do monstro de Vénus nunca está em dúvida, mas os meios para lidar com ela é que estão. As autoridades locais sicilianas são os agressores, só conseguem ver o mal que uma criatura pode fazer. Em contrapartida, a outra força invasora (os militares americanos) são a favor de uma abordagem pacifista a fim de estudar a criatura. É bastante claro que o argumento escrito por Robert Creighton Williams e Christopher Knopf está enfatizando tanto para o avanço tecnológico dos EUA (a imagem de um foguetão espacial em contraste com uma aldeia camponesa) e da superioridade moral e filosófica dos EUA (a busca de um meios pacíficos para subjugar a besta).
Este é basicamente um filme para os efeitos visuais de Ray Harryhausen. Desde o acidente do foguetão que abre o filme até à criatura venusiana, esta é uma montra para o trabalho de animação em stop motion. Um destaque especial para uma luta entre a criatura e um elefante pelas ruas de Roma. Quando não temos à vista o trabalho de Ray, o filme é simplesmente chato. Os personagens nunca superam os estereótipos e as interpretações raramente agradam minimamente.  Mesmo assim vale muito apena.

Link
Imdb

Nenhum comentário: