domingo, 3 de novembro de 2013

A Vingança do Monstro (Revenge of the Creature) 1955



O segundo filme da série da Criatura, Revenge of the Creature, reuniu pela segunda vez o realizador Jack Arnold com o homem no fato de borracha (que, aliás, foi interpretado por Ricou Browning nas cenas debaixo de água em todos os três filmes, e vários outros duplos para as sequências em terra). Este segundo filme abre com uma homenagem ao primeiro, outra sequência no rio Amazonas, com Nestor Paiva divertidamente repetindo o papel de capitão Lucas, levando um outro grupo de investigadores a procurar a criatura lendária. Desta vez capturam a criatura e trazem-na de volta para a civilização, onde ela é presa no fundo de um aquário num parque marinho, observada por turistas ávidos e estudado por cientistas. Entre estes cientistas estão, previsivelmente, um outro par romântico, o biólogo Clete Ferguson (John Agar, um acostumé nos filmes de série B) e uma estudante chamada Helen Dobson (Lori Nelson). Eles estudam a criatura, acompanhando as suas reações e a sua capacidade de aprender, e estão espantados ao saber que ela é mais parecida com um ser humano na inteligência e biologia do que alguma vez esperavam. Isto leva o tema da evolução do primeiro filme ainda para mais longe, sugerindo que parte do horror é perceber o quão perto nós, seres humanos, estamos dos animais "inferiores" - quando Clete é nos apresentado pela primeira vez, ele ri-se sobre o tema de tão perto está um chimpanzé de um criança humana, e como é difícil traçar uma linha entre as espécies.
Esta linha vai ter um maior desenvolvimento neste segundo filme, no fascínio sexual da criatura para com a actriz principal. Se o primeiro filme foi marcado pelas sequências de suspense, as cenas da criatura a perseguir a presa debaixo da água, este segundo em grande parte descarta essas sequências, pelo menos na sua primeira metade. Aqui , a criatura está em cativeiro, acorrentada e incapaz de se libertar. Mas é capaz de observar os seus captores, e parece magneticamente atraída para com a bela Helen, nadando até ao vidro do tanque sempre que ela está por perto. Arnold filma essas sequências de cima do ombro de Helen, observando como a criatura flutua sobre o outro lado do vidro, com os olhos cegos misteriosos olhando para a frente, as mãos com membranas e garras batendo na água, mantendo-se nivelada com Helen. É uma imagem assustadora. Mais tarde, depois da criatura previsivelmente fugir, persegue Helen no hotel onde ela está hospedada. Numa das imagens mais francamente sexuais do filme, este voyeur escamoso está do lado de fora das portas de vidro do quarto de Helen, observando como ela retira o roupão de banho, de pé brevemente na sua roupa interior branca. Jack Arnold observa, ele próprio um voyeur, por trás da criatura, criando uma sequência impressionante: a criatura do lado de fora da porta de vidro, a sala separando-o de Helen, a mulher de pé junto à porta, o seu rosto refletido no espelho do banheiro. É uma composição telescópica, uma imagem de separação e de desejo.
Mais tarde, a criatura voyeurista observa de dentro das canas no fundo do leito de um rio, como Helen e Clete brincam na água, sensualmente apreciando a presença um do outro. Eles abraçam-se debaixo de água, afundando-se juntos, o cabelo de Helen graciosamente acenando para cima. Esta cena lembra-nos o ballet submarino entre a criatura e Julie Adams no primeiro filme, uma dança estranha debaixo d'água, os dois amantes abraçando-se enquanto a criatura se esconde, invisível, na escuridão. A criatura está continuamente atraída pela imagem do amor humano, da proximidade física. Depois da sua fuga, enquanto se esconde no oceano, vê um jovem casal a beijar-se no seu carro. Arnold corta a esta cena de repente, num close-up da fisicalidade chocante; os rostos do casal a serem esmagadas em conjunto, como se estivessem tentando engolir as cabeças um do outro. Mas eles conseguem fugir antes que a criatura os consiga atacar. A criatura é um ser sexualmente frustrado, basicamente, olhando para os seres humanos que parecem divertir-se tanto juntos. Não é à toa que ela é tão enfurecida, sempre raptando jovens bonitas e arrastando-os para longe, mantendo-as nos seus braços como se fossem noivas.
Tal como no primeiro filme, o material de que é feita a criatura é muito fraco, e as interpretações apenas ligeiramente melhor do que no primeiro filme, assim como o argumento. Temos é uma mudança interessante no tratamento da mulher cientista, pelo menos: enquanto no primeiro filme ela era retratada como uma mulher banal, requerindo instruções nos fundamentos da biologia, aqui ela é quem geralmente explica as coisas para o público. Globalmente, Revenge of the Creature não mantem a tensa aura de suspense de terror que precorre todo o primeiro filme. Mas na segunda metade, com a fuga da criatura e a perseguição psicossexual de Helen, é ainda mais envolvente e assustador do que o seu antecessor.

Link 
Imdb 

Nenhum comentário: