sábado, 30 de novembro de 2013

Stromboli (Stromboli, Terra di Dio) 1950



O primeiro filme de Roberto Rossellini com Ingrid Bergman é um drama primordial, embora o filme fosse ofuscado pelo enorme escândalo internacional do romance destes dois fora das telas. É difícil compreender que a ligação entre uma actriz e um realizador, cada um casado com outras pessoas, podesse levar às denúncias febris no registro do Congresso dos EUA, com a imprensa americana a visar Bergman.
Em 1948, Bergman era uma das atrizes de cinema mais famosas e honradas no mundo (depois de ter feito filmes como Casablanca, Por Quem os Sinos Dobram, The Gaslight, Notorious, entre outros) e quando viu "Paisá.", De Rossellini, sendo já uma grande admiradora de "Roma, Cidade Aberta", ela viu o que considerou como "outro grande filme". Numa carta expressando a sua admiração, escreveu a Rossellini que se ele precisasse de uma actriz sueca que falasse muito bem Inglês, e que em italiano só sabia dizer 'ti amo', estava pronta a fazer um filme com ele.
A Itália tinha cortado nos filmes americanos durante a guerra, e Rossellini não tinha interesse nos filmes de Hollywood, e nem sabia quem Bergman era. Quando a sua fama lhe foi explicada, percebeu que o nome de Bergman poderia levar dinheiro a qualquer projeto de filme, que ele podesse imaginar. Howard Hughes - esperando impressionar Bergman - concordou em financiar um filme ente os dois.

Rossellini e Bergman começaram um caso, e pouco tempo depois ela estava grávida. No filme Bergman interpreta Karin, uma mulher sem pátria que diz ser da Lituânia, mas cujos documentos não são suficientes para conseguir a entrada na Argentina. Para sair do campo de refugiados, ela concorda em casar com Antonio (Mario Vitale), um soldado desmobilizado que a beija através do arame farpado e lhe diz que vive numa bela ilha. Ela quer muito sair do campo de refugiados e vê em Antonio o seu único bilhete disponível. O que é que o amor tem a ver com isso? Para ela, nada. Para ele, bem, ela é muito bonita, e ele não pensa em muito mais sobre as suas compatibilidades. E os dois mal se conhecem.Lá vão eles. A ilha é linda - pelo menos para quem gosta de vulcões que se projectam para fora do oceano. Não há praticamente nenhuma terra na ilha e o vulcão é muito ativo. Antes da guerra, Antonio tinha o seu próprio barco de pesca, mas agora ele tem de trabalhar no barco de outra pessoa. As suas recompensas são poucas e não incluem uma esposa a vestir de preto, cobrindo o cabelo, recebendo ordens, e fazendo coisas que gerações de mulheres sicilianas faziam.Os poucos moradores que não fugiram para o continente italiano ou para a América tratam-na como um objecto - um objeto de desejo para os homens, um objecto de escárnio para as mulheres, como se fosse indecente. Constantemente vigiada, raramente conversando, Karin está desesperada para sair da ilha. Conflitos conjugais são mostrados superficialmente. As atitudes das mulheres e dos homens da aldeia também são registrados economicamente.Há também uma chuva de pedras do vulcão. Há algumas sequências fascinantes da longa pesca dos barcos a remos. E há a noite em que toda a aldeia é obrigada a fugir em barcos, quando a povoação é destruída por uma erupção vulcânica. Há muito neste filme que se parece com um documentário. (Rossellini fez filmes que pareciam documentários, mostrando assim a vida de uma aldeia de pescadores numa ilha italiana vulcânica poderia ser considerado um feito menor para ele). Ao lado de Visconti, com o seu "La terra trema", "Stromboli "é o lugar onde se olha para ver o que a vida acidentada do pescador siciliano era. 

Link 
Imdb 

Nenhum comentário: