terça-feira, 19 de novembro de 2013

Memories Within Miss Aggie (Memories Within Miss Aggie) 1974


As reminiscências de uma mulher idosa não parecem ser muito eróticas, mas  "Memories Within Miss Aggie" também não é realmente um filme erótico, é um filme explícito - um filme para adultos - mas não um filme que realmente possa ser caracterizado como erótico. O elenco é composto por um casal de idosos, a Aggie do título (Norah Ashera) e o companheiro Richard (Patrick Farrelly), que parecem sofrer de uma enorme variedade de doenças. Ele está pálido e confinado a uma cadeira de rodas, ela é fisicamente capaz - como é evidenciado por a vermos a esfregar o chão no início do filme - mas não está mentalmente sã. Entretanto, ela "vê" um jovem casal a correr de mãos dadas - uma imagem que é posteriormente apresentada como uma memória.
O terceiro filme artisticamente significativo de Damiano é uma obra sombria em que nada é o que parece. Durante a maior parte do seu tempo estamos a par das memórias da nossa protagonista epónima - memórias que rapidamente percebemos que estão longe de ser confiáveis. O filme é realmente estruturado em torno de três dessas reminiscências, com Aggie a revelar-se de forma diferente em cada uma, inicialmente observamos uma loira ingénua (Kim Papa) sucumbindo aos avanços de Eric Edwards, antes de uma morena estranha (Mary Stuart) se entregar a Harry Reems, e, finalmente , uma sedutora madura (Darby Lloyd Rains) tem um interlúdio tórrido com um cliente. Enquanto estas radicalmente diferentes encarnações de Aggie são elas próprias o suficiente para pôr em dúvida a validade dessas recordações, o verdadeiro problema é que são todas tentativas para contar o mesmo evento - o encontro inicial com Richard . Se é sintomático da demência ou loucura, Aggie parece estar a reconstruir o passado com pouco respeito pela autenticidade.
Embora não seja totalmente claro quando esses eventos ocorreram, o ambiente físico é mais importante para a nossa história do que o período exato em que teve lugar. A nossa heroína vive num mundo que é estéril e implacável, uma paisagem onde a neve é abundante e os sinais de vida escassos. Não há nada próximo a uma comunidade à vista - na verdade, a habitação em ruínas de Aggie é praticamente o único edifício que vemos - e a sensação de isolamento é palpável. Nestas circunstâncias, a solidão parece inevitável, e além disso o fantasma da loucura é grande. 
Em termos de qualidade, Miss Aggie é um filme pensativo e instigante, mas, provavelmente, demasiado lento para o seu próprio estilo. O tom de desespero é também evidente noutros filmes de Damiano, "Devil in Miss Jones" ou "Odyssey", mas esses acabam por ser mais satisfatórios - mais envolventes de alguma forma. Miss Jones é uma personagem que queima com grande intensidade, enquanto Miss Aggie é uma figura muito mais deprimente. Mesmo assim, uma obra a ser vista.

Link
Imdb

Nenhum comentário: