quinta-feira, 7 de novembro de 2013

A Terra em Perigo (Invasion of the Body Snatchers) 1956



É um dos maiores clássicos da ficção científica dos anos 50. Invasion of the Body Snatchers continua tão assustador hoje como no dia em que foi feito, é uma sátira terrível sobre a escuridão, a invasão da conformidade e a perda da emoção. Uma obra bastante económica, dirigida por Don Siegel, que a trata o como se fosse um dos seus filmes noirs: sombras escuras por todo o lado, envolvendo uma cidade suburbana tranquila que está a ser tomada pela escuridão, por coisas estranhas à espreita nos porões e nos becos.
Muitas vezes foi sugerido que o filme fosse uma parábola da direita sobre a instalação do comunismo, sobre a facilidade com que o comum americano poderia ser tomado, sem sintomas externos visíveis, por uma ideologia estranha e agressiva de oposição à decência humana e ao calor humano. É uma leitura convincente, é claro, e difícil de negar, mas em muitos aspectos o filme é muito mais do que quando tais assuntos políticos são deixados visíveis. É um filme, mais do que qualquer outra coisa, sobre o que significa ser humano, sobre como um ser humano pode ter um olhar humano, agir como um humano, ter as memórias de um ser humano, e ainda lhe faltar essa coisa especial, uma faísca emocional invisível que realmente é a essência da humanidade: podemos chamar isso de amor, ou de alma , ou o que quisermos. Num dos melhores discursos do filme, o protagonista, o Dr. Miles Bennell (Kevin McCarthy) compara os aliens ladrões de corpos com o processo pelo qual algumas pessoas, mesmo sem uma intervenção externa, consentem tornar-se duros e drenados de qualquer tipo de emoção, a perda da sua humanidade. 
Bennell voltou à sua pacata cidade natal depois de um mês fora, para descobrir que tudo mudou de forma muito subtil, enquanto ele esteve fora. A sua enfermeira relata que muitas pessoas da cidade tinham-no chamado urgentemente enquanto ele esteve fora, mas então, de repente , ninguém precisava mais dele, sem qualquer explicação para o que tinha acontecido de errado. E vários dos moradores da cidade reclamam que as pessoas que lhes são mais íntimas não mais eles próprios, que há algo diferente nos seus entes queridos. O terror do filme é lento e insidioso. Em primeiro lugar, Bennell não acredita que haja alguma coisa de errado, embora a acumulação de pequenos sinais e eventos estranhos comecem a roer a sua mente. Quando o horror finalmente se assume inteiramente, isto acontece de repente, quando Bennell, com o seu interesse amoroso, Becky (Dana Wynter), se deparam com alguns dos casulos alienígenas (que se parecem com couves de Bruxelas gigantes), não há qualquer dúvida sobre que algo estranho está a acontecer aqui. É questionável se Bennell e a companheira, depois de verem as vagens a escorrer e a borbulhar, iriam descobrir tão depressa o que está a acontecer, mas a sequência é talvez a mais perturbadora do filme. As vagens a abrirem e borbulhar sobre a gosma branca, criando uma forma quase fetal, como se um bébé estivesse a nascer. Mas esses bébés são duplos dos moradores da cidade, preparado para assumir o lugar do ser humano.
Na verdade, toda a mecânica de como isto acontece, não parece ter sido muito bem pensada, o filme é pouco vago sobre o que está realmente a acontecer, o que acontece com os corpos humanos, uma vez que os clones assumem os seus lugares. A história não é o ponto forte do filme, de qualquer modo. Todo o conceito cai mais ou menos por terra, e o argumento mal tenta desenvolver a ameaça extraterreste com um conceito coerente. A razão pela qual o filme consegue ir tão longe é que é tão bom a desenvolver a atmosfera de medo, a escalada do horror, medo e paranoia dos protagonistas enquanto eles tentam fugir de uma cidade que está a ser tomada e absorvida por uma força invisível. Bennell e Becky estão cada vez mais exaustos e apavorados como, cada vez mais, não têm para onde fugir, ninguém em quem confiar, todos os seus amigos e entes queridos são implacavelmente engolidos pela estranha "infecção", um por um.  
É com uma enorme estranheza, que as pessoas normais são transformadas em algo tão sinistro, que faz de Invasion of the Body Snatchers manter-se tão assustador, envolvido por uma aura angustiante. A sequência final - um close-up de desespero, o rosto deformado de Bennell, a ponto de chorar ou rir histericamente, não é claro sobre o que seria pior - vai contra qualquer idéia de que este é um simples final feliz.  

Link
Imdb

Nenhum comentário: