terça-feira, 26 de novembro de 2013

Fabíola (Fabiola) 1949



O argumento de "Fabiola" é relativamente complicado, incluindo uma série de personagens secundários e uma subtrama enorme. O filme foi primeiro dividido em duas partes, quando foi exibido nos cinemas europeus.
A primeira parte chama-se "miragem de Roma". Um jovem gladiador (o atlético Henri Vidal) dirige-se para Roma, onde pensa que vai encontrar fortuna e glória. Pára na vila do senador Fabius Severe (Michel Simon) e da sua filha, a bela Fabiola (Michèle Morgan , na altura, ela e Vidal eram o casal ideal para a juventude, o amor entre eles não era apenas no filme). Estranhamente, a história toma um rumo diferente, do estilo "whodunit" com um sabor romano a Agatha Christie. Severe é assassinado a meio da noite. Em paralelo, vemos o aumento da fé cristã, principalmente entre os escravos.
A segunda parte é chamada de "o sangue dos mártires", e com toda a razão, porque o sadismo nas torturas iguala facilmente os filmes de Cecil B De Mille. Também assistimos ao martírio de um São Sebastião (Massimo Girotti), que , pouco antes de morrer, conta aos soldados uma história muito antiga, e num lugar muito distante. Esta segunda parte começa com um resumo interminável da primeira parte, o que tende a mostrar que as duas partes não foram mostrados ao mesmo tempo.
"Fabiola" é um dos melhores (talvez mesmo o melhor) peplum que a Europa já produziu, e Morgan é maravilhosamente filmada, principalmente na sequência em que Vidal a confunde com uma estátua. O ritmo é rápido, deixando o espectador sem tempo para respirar. O background histórico inclui o antagonismo entre Constantin, o imperador cristão, embora alguns historiadores afirmem que ele foi batizado pouco antes de morrer - e Maxence, o imperador pagão. Muito pouco vulgar para o seu tempo, "Fabiola" tem quase 3 horas de duração. É evidente que as suas origens não são o cinema de Hollywood, pois o grande espetáculo é secundário para os personagens que têm mais profundidade e detalhe do que é habitual nestes filmes.
Em "Fabiola", Alessandro Blasetti assume a grande tradição do épico histórico italiano, com várias reviravoltas interessantes. O filme foi uma produção ítalo-francesa e os três principais intérpretes são actores franceses. Apesar de todo o heroísmo e espectáculo os valores de "Fabiola" são anti-heróicos e humanistas, em contraste com toda a brutalidade física notavelmente explícita no filme.
Legendas em inglês.

Link
Imdb

Nenhum comentário: