segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Plano 9 do Vampiro Zombie (Plan 9 from Outer Space) 1959



Depois de oito planos diferentes para invadir a Terra terem falhado, invasores de Marte decidiram que é altura de colocar em prática o plano 9. De acordo com esse plano perverso, os alienígenas irão ressuscitar os mortos no nosso planeta e transformá-los em zombies, sob o seu comando. O plano parece funcionar desta vez, já que os zombies matam uma série de pessoas e as suas naves espaciais começam a infiltrar-se nas grandes cidades do mundo, mas depressa as autoridades e os militares estão nos seus calcanhares na tentativa de repelir a invasão do espaço. É uma corrida contra o tempo, e uma corrida da humanidade contra a sofisticada tecnologia dos marcianos. Será que os seres humanos prevalecem e salvam o seu planeta natal?
Se a sinopse parece um pouco pomposa, não se preocupem. É assim que o filme é. "Plan 9 From Outer Space" é um filme bastante duvidoso, como muitos de vocês devem saber. Foi várias vezes aclamado como o pior filme de todos os tempos, uma honra que não merece.
Muitos fatores fazem de "Plan 9 From Outer Space" o clássico de culto que se tornou ao longo do tempo. Em primeiro lugar, há o próprio filme. Numa tentativa de ser muito sério, foi tão inepto que se tornou uma piada de si próprio. Não há um minuto no filme que não nos faça rir, ou porque um ator esqueceu-se das falas, ou porque os cenários estão a mover-se. "Plan 9 From Outer Space" é praticamente o pai de todos os filmes de baixo orçamento, tornando-se uma experiência muito divertida.

Apesar das pesadas limitações orçamentais, o realizador Ed Wood nunca hesitou em fazer o melhor com o que tinha. Filmar sem permissão e usar modelos de naves espaciais penduradas por cordas, e trouxe uma invasão extraterrestre à vida. Usando cortinas de chuveiros e outros utensílios quotidianos para criar o cockpit de um avião, e, eventualmente, convidar os seus próprios amigos para entrar no filme, esta obra transpira inspiração e criatividade. Ed Wood deve ter sido um cineasta incrivelmente entusiasta que apanhou as pessoas com a sua imaginação fértil e uma forte atitude. O facto de que era muito incompetente na arte de fazer filmes não o incomodava um pouco. Era o próprio acto de fazer o filme que o fazia feliz, que saciou a sua sede de criatividade. O tributo de Tim Burton para este realizador, tardio mas bastante singular no filme "Ed Wood" traz-nos um intrigante olhar sobre o que fez este homem, e é altamente recomendado.
Ed Wood também era amigo próximo de Bela Lugosi, o ícone do terror que se tornou sinonimo da interpretação de "Dracula ", no início dos anos 30. Quase esquecido no tempo, Wood convenceu Lugosi para entrar numa série dos seus filmes para reacender a carreira, e com o poder da estrela de Lugosi permitiu-lhe obter financiamento para alguns dos seus pequenos filmes. Infelizmente, Lugosi morreu durante as filmagens de "Plan 9 From Outer Space", e Ed Wood teve que substituí-lo por outro actor, para terminar o filme. Paradoxalmente, o substituto não parecia nada com Lugosi e como resultado, este actor passa o tempo a cobrir o rosto com a capa de Drácula, numa vã tentativa de criar a ilusão de ser o próprio Lugosi . A coisa mais fascinante de tudo isto é que, inicialmente, Ed Wood não tinha idéia do que o filme deveria ser. Ele usou imagens de Lugosi que tinha filmado aleatoriamente noutra altura, e sem argumento, e remendou-as com filme outro material filmado mais tarde para a rodagem de "Plan 9 From Outer Space". Como resultado, as sequências do filme são muitas vezes inconsistentes, incoerentes e não contínuas. Uma sequência de Lugosi em plena luz do dia, intercalada com cenas de substituição durante a noite, num ambiente completamente diferente.
O wrestler sueco Tor Johnson pode ser visto no filme como um zombie, assim como Vampira, uma figura de culto do terror da época, que Ed Wood conseguiu trazer para o projeto quando o estrelato começou a desvanecer.

Link
Imdb

1 comentário:

ajanelaencantada disse...

Conheci este filme graças ao filme do Tim Burton. Talvez por isso, achei-o delicioso. Mas se não o visse nesse contexto, teria concordado com os que o chamam o pior filme de sempre. :)

Talvez o "gosto" seja isso mesmo, uma questão de perspectiva, e o Tim Burton veio trazer uma nova sobre o Ed Wood.