sábado, 9 de novembro de 2013

The Creature Walks Among Us (The Creature Walks Among Us) 1956



Para o terceiro e último filme da criatura, The Creature Walks Among Us, o realizador Jack Arnold foi substituído por John Sherwood. Este terceiro filme é decididamente menor em termos de orçamento do que os dois primeiros, e a produção barata transparece em todos os aspectos. O argumento desvia-se da simples premissa do ataque do monstro dos dois primeiros filmes, e o Gill Man faz muito pouca coisa aqui, saindo da nossa vista no seu próprio filme. Começa com mais uma expedição científica intrépida para capturar a criatura e avançar nas pesquisas. Esta equipa é liderada pelo louco William Barton (Jeff Morrow), que está convencido de que pode transformar a criatura através da cirurgia e engenharia genética, tornando-a capaz de sobreviver em terra por longos períodos de tempo, aproximando-a da humanidade. O resto da sua equipa, incluindo o colega cientista Thomas Morgan (Rex Reason) e o guia de Jed Grant (Gregg Palmer), não têm tanta certeza, e estão cépticos em relação à ânsia de Barton para mexer com a natureza.
Em qualquer caso, a criatura é mais uma vez capturada, e através da cirurgia é transformada de uma criatura do mar para uma criatura da terra, a respirar. Esta alteração um pouco duvidosa da ciência, então, ainda mais improvável, leva a mutações maciças na criatura, simplificando a sua estrutura corporal para uma forma mais humanóide: refazendo o rosto, eliminando as garras dramáticas, agilizando a sua forma. A maioria dessas mutações, além de serem absolutamente ridículas (mesmo numa série cuja premissa é meio parva) , são evidentemente destinadas não para efeito narrativo, mas para explicar as alterações orçamentais óbvias que foram feitas para este filme. O design monstro icónico e assustador de Jack Kevan dos dois primeiros filmes foi descartado. Este novo monstro é um pouco ridículo, e ainda parece mais quando os cientistas começam a vestir-lhe roupas.
Uma vez que a criatura está em terra, a trama começa a centrar-se no drama conjugal entre Barton e a sua esposa Marcia (Leigh Snowden). Barton é um homem possessivo, ciumento e paranoico, e o seu temperamento brutal levou a esposa a afastar-se dele. Ela ainda resiste aos avanços de Grant, mas isso não impede Barton de a repreender e gozar com dela, tratando-a com requintes de crueldade, mesmo com ela a manter-se fiel a ele. Os paralelos com a trama de terror são óbvios: se a criatura é inerentemente brutal e má ou se apenas responde ao seu ambiente, se estamos a evoluir como espécie, alcançando as estrelas, ou ainda ligados às nossas raízes primordiais na selva. Os argumentistas para estes filmes nunca tiveram qualquer temática assim tão subtil, mas este tem os personagens e actores ideais à altura de transmitir emoções ao público. O problema é que tudo isto tem pouco a ver com o monstro verdadeiro que conhecemos, que cada vez mais parece ser uma decoração.
Mesmo assim, o filme ainda oferece o verdadeiro prazer da fotografia subaquática tipicamente bonita, durante as cenas de abertura.  

Link
Imdb

Nenhum comentário: