quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Seul Contre Tous (Seul Contre Tous) 1998



Um antigo talhante sai da prisão para iniciar uma nova vida, mas, sem dinheiro, e preso numa relação sem amor com a namorada grávida, fica cheio de raiva e desejo de vingança. Com os seus cinquenta anos, o homem não vê futuro para si e acha que o mundo é uma fossa povoada por vermes. Depois de um confronto violento, ele sai com a namorada e parte para Paris, com uma arma carregada no bolso...
Um dos filmes mais negros a ser fabricado em França até ao momento, e marca uma estreia nas longas-metragens, muito auspiciosa, para o jovem Gaspar Noé . Embora com apenas 35 anos, Noé mostra já uma notável maturidade de estilo, e o seu filme, enquanto distintamente desagradável de se assistir, tem um impacto tremendo.
A influência de outros grandes realizadores do cinema francês é evidente - Jean -Luc Godard e Claude Chabrol. A dureza da montagem - com alguns cortes repentinos muito inquietantes e close-ups - junto com o uso de mensagens textuais em negrito é muito evocativo do estilo de Godard, e não menos eficaz. Noé usa outros dispositivos cinematográficos de grande efeito - fades súbitos para branco no final de uma cena, quando o espectador antecipa um fade para negro, a forma como a câmera se move, de um long-shot para um close-up - criando dinamismo de uma cena para outra. Este estilo não é utilizado de forma arbitrária - Noé não está a mostrar o seu domínio do meio cinematográfico (que é bastante evidente apenas depois de dez minutos de filme). Pelo contrário, essas são as ferramentas que ele usa para criar um mundo perturbador - o mundo dentro da cabeça de um homem amargurado e demente . Raramente um artista tem tal controle criativo sobre o modo de realizar o seu objetivo e, ao mesmo tempo, oferecer algo novo e original para o público.
O único ponto onde o filme cai é no final. Noé oferece um final que é completamente contrário ao que tem sido preparado até então. No entanto, isto pode acontecer simplesmente porque o espectador sente que foi enganado. Não há nada para nos preparar para a mudança repentina no estado de espírito do protagonista, mas isso é uma coisa que vão ter de ver, para confirmar.
Vencedor do prémio Mercedes-Benz em Cannes, e do Melhor Argumento em Sitgés, era uma espécie de continuação de "Carne", curta do mesmo realizador que já vimos neste ciclo.

Link 
Imdb  

Nenhum comentário: