quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

Regarde la Mer (Regarde La Mer) 1997



Certo verão, Sasha, uma jovem inglesa, instala-se numa casa de férias isolada perto da costa. Com o marido em viagem de negócios, a sua única companhia é a filha bébé. Um dia, uma campista de aparência selvagem, Tatiana, aparece na sua porta e pergunta-lhe se pode acampar no jardim. Sasha concorda, hesitante, mas logo começa a desenvolver um estranho fascínio pela inesperada convidada. Pode a atração ser fatal...?
"Regarde la Mer" é um daqueles raros filmes que proporciona uma experiência de visualização verdadeiramente inquietante e nos deixará a pensar nela durante horas. O impacto não está no tema, mas na forma subtil com que brinca, e habilmente, enfraquece as nossas expectativas, atirando-nos para situações muito desagradáveis que, superficialmente, pelo menos, parecem tão estranhamente banais. É uma exploração da psique humana, que é ao mesmo tempo sombria e sinistra, assustadoramente precisa, ainda mais eficaz em virtude da sua abordagem ser discreta, e rigorosamente naturalista.
Surpreendentemente, este não é um trabalho de um cineasta de renome mundial, mas de um jovem de trinta anos de idade, mas de um cineasta iniciante que tinha uma mera dezena de curtas-metragens no seu currículo como realizador. Com um certo tom sombrio, introspectivo e assunto obscuro, o filme pressagia muitas das seguintes longas-metragens de Ozon - nomeadamente Les Amants Criminels (1999) e Sous le sable (2000). Bem conhecido o fascínio de Ozon para o desarranjo psicológico, intriga assassina e perversão sexual é facilmente perceptível em "Regarde la Mer", que é uma re-interpretação genial do grande filme de Ingmar Bergman, Persona (1966).
Tal como em Persona, "Regarde la Mer" é sobre a relação entre duas mulheres que são pólos opostos em caráter, e como elas exprimentam uma troca de personalidade gradual à medida que se começam a conhecer uma à outra. Sasha e Tatiana reconhecem na outra um aspecto que falta na sua feminilidade, e que cada uma está desesperada para alcançar. Para Sasha, a dona de casa sobrecarregada com a filha, Tatiana representa a liberdade absoluta, a liberdade para ir a qualquer lugar, a liberdade de satisfazer desejos sensuais selvagens e viver como uma criatura selvagem. Tatiana vê em Sasha a mãe amorosa que ela secretamente ansiava por ser, cumprida através do vínculo materno com a criança nascida da sua própria carne. Num nível mais metafísico mais obscuro, a vida de Sasha anseia pela morte, enquanto Tatiana é uma alma morta que anseia pela vida. O encontro casual permite que ambas tenham oportunidade de realizar o que mais desejam - mas com consequências terríveis. Um filme fascinante, mas muito perturbador.
    
link 
Imdb

Nenhum comentário: