sábado, 18 de janeiro de 2014

Calvaire (Calvaire) 2004



Marc Stevens é um cantor itinerante que realiza espectáculos principalmente para casas de repouso. Depois de um concerto num hospício ser cancelado, o seu carro avaria no meio do nada. Um estranho aparece e leva-o para uma estalagem dirigida por Monsieur Bartel. Desde que a sua esposa Gloria o deixou, este tem andado num estado de desequilíbrio mental. Para surpresa de Marc, Bartel está convencido de que ele é a reencarnação da sua esposa. A surpresa de Marc transforma-se em horror quando o seu anfitrião aprisiona-o e veste-o com as roupas da esposa...
"Haute Tension", de Alexandre Aja (2003), mostrou ao mundo que o cinema francês poderia fazer filmes de terror de sobrevivência, tão ou mais emocionantes e elegantes do que qualquer coisa feita pelos seus colegas norte-americanos, mas tinha uma falha: não tinha sentido de humor. Na sua estreia, no ano seguinte, o belga Fabrice Du Welz evitou cometer esse mesmo tipo de erro, e deu ao público desavisado algo muito mais satisfatório e saudável: um limpo filme de terror de gelar o sangue que faz o público rolar pelo chão em histeria (bem , quase). "Calvaire" mostra as suas influências com uma quase desavergonhada falta de modéstia: The Texas Chainsaw Massacre (1974), sendo o filme de terror clássico que mais obviamente se baseia neste filme, mas ao mesmo tempo se afasta, por ser tão escandalosamente off-the-wall, e ridiculamente doente.
A maior parte do filme é muito bem estruturada, com um músico da cidade a tornar-se atormentado pelo mais estranho dos campestres, que o confunde com a reencarnação da sua esposa. Jackie Berroyer consegue ser hilariante e terrível como o vilão, enquanto Laurent Lucas revela-se uma escolha eficaz para o papel da vítima que adoramos ver passar por um inferno. Desde o início, é o pinteresco Berroyer que monopoliza a nossa simpatia, e chegamos mesmo a apreciar as humilhações e crueldades que ele submete o personagem de Lucas. Calvaire é um filme que nos lembra de que, não importa o quanto nós podemos fingir o contrário, há um pouco de sadismo em todos nós.
A história pode não ser particularmente original - é praticamente uma repetição da maravilhosamente insana comédia de humor negro de Philippe Haïm, Barracuda (1997) - mas isso pouco importa se, tal como Du Welz, a vermos a partir de um ângulo completamente novo, e com auto-contenção e bom gosto. Claramente muito mais interessado no estilo do que na substância, Du Welz ataca o seu filme com uma espécie de alegria maníaca, invadindo quase todos os filmes de terror americanos feitos a partir de meados da década de 1970. O filme começa vertiginosamente bizarro, com porcos e moradores que parecem zombies (todos do sexo masculino) com um sentido geral de desordem e histeria. Um dos filmes de terror mais elegantes e dementes da língua francesa, Calvaire é uma fantasia delirante desequilibrada que parece suspeita como um conto de fadas dos Irmãos Grimm horrivelmente fora de controle, e que merece um lugar na coleção de qualquer entusiasta dos filmes de terror. 

Link
Imdb

Nenhum comentário: