quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

O Pornógrafo (Le Pornographe) 2001



Na década de 1970, Jacques Laurent foi um grande realizador de filmes pornográficos, em França. No início dos anos 80 desistiu de fazer cinema, frustrado por não ser capaz de fazer o tipo de filmes que queria. Quase vinte anos depois e fortemente endividado, Jacques é obrigado a voltar a fazer filmes pornográficos, embora ainda tenha a intenção de abordar os filmes de forma mais significativa. Desiludido com o seu trabalho, fica animado quando entra em contacto com o filho, Joseph, que o abandonou anos antes, ao descobrir a profissão do pai.
O segundo filme de Bertrand Bonello é um estudo meditativo, intensamente sombrio, de um homem a passar por uma crise de meia-idade infernal e a progressão do seu filho até a idade adulta. Habilmente discreto, o filme usa tomadas longas e diálogos escassos para amplificar o clima existencialista transmitido pelos desempenhos extraordinários dos seus dois actores principais: Jean-Pierre Léaud e Jérémie Renier. É ao mesmo tempo um trabalho provocativo é filmado sumptuosamente, que nos convida a refletir sobre o sentido das nossas próprias vidas num mundo cada vez mais corrompido e artisticamente falido.
Desde a sua estreia em "Les 400 Coups" de François Truffaut, que Jean-Pierre Léaud é um emblema do Cinema Francês d'auteur, um actor amado por fãs do cinema do mundo todo. Nos últimos anos, a sua carreira vinha a passar por uma espécie de renascimento, com Léaud finalmente a encontrar papéis que correspondem tanto ao seu talento como à sua aparência de meia-idade. No filme de Olivier Assayas "Irma Vep" (1996), ele tem um desempenho impressionante como um cineasta a lutar para recuperar os seus poderes criativos. Em Le Pornographe, Léaud encontra-se num papel semelhante, embora aqui o seu papel seja mais central e isso permite-lhe ter o que pode ser considerado como um dos seus melhores desempenhos até então. Longe de ser o energético rebelde, na flor da sua juventude, aqui vemos os últimos vestígios de um homem a olhar para trás com uma profunda tristeza melancólica.
Com base neste e outros filmes recentes similares, Jérémie Rénier parece ser um digno sucessor de Jean-Pierre Léaud. Em Rénier há uma intensidade semelhante ao desempenho e presença na tela para o que vemos com a sua co-estrela mais velha, fazendo-o material ideal para dramas sérios de filmes franceses. Embora a contribuição de Rénier seja impressionante, a presença do seu personagem no filme parece estranhamente intrusivo, e isso mostra um dos pontos fracos do filme. Ao dar tanta atenção a Joseph, a sua vida amorosa e as atividades políticas, o filme desvia a nossa atenção da crise de meia-vida do pai.
O filme contém material sexualmente explícito (algum do qual foi retirado pelo Board of Film Classification britânico) - que alguns espectadores podem achar ofensivos. Para estas breves cenas, Bonello contratou duas estrelas pornográficas, Ovidie e Titof. É discutível se tais cenas fazem uma contribuição positiva para o filme - um crítico mais cínico diria que elas foram incluídas só pelas audiências. Um fã mais generoso diria que essas cenas, filmadas com muito frio e um falso-erotismo mecânico, são fundamentais para a condução da extensão da frustração do personagem central.

Nenhum comentário: