terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Ciclo Tom Waits

Tom Waits tem tido uma carreira musical longa e bem sucedida que começou na década de 1970 e continua até aos dias de hoje. Musicalmente, o que ele agora produz é considerado um pouco mais experimental do que no início. Ouvir através de seu trabalho em ordem cronologicamente, é interessante para traçar sua evolução como artista. Mesmo com a mudança para o material experimental, continua a ser um grande contador de histórias com as suas canções. Frequentemente as suas músicas focam personagens vadias que não estariam fora de lugar em novelas de Bukowski, Burroughs ou Kerouac.

A música de Waits já apareceu numa série de filmes e programas de TV, e a sua primeira tentativa de compor um filme inteiro rendeu-lhe uma nomeação ao Óscar. A nomeação foi para a banda sonora do filme musical de Francis Ford Coppola, One From The Heart (1982), filme que é, talvez, mais conhecido por ter levado Coppola à falência, devido aos custos de produção terem saído para fora de controle. Waits, acompanhado numa série de músicas por Crystal Gayle, oferece uma banda sonora quase perfeita, que garante grande parte da narrativa para o filme. Waits aparece brevemente no filme como um trompetista, mas este trabalho com Coppola levou-o s ser convidado para vários outros filmes do realizador. Devido a ser um amigo próximo da família Coppola, foi ele quem tocou no casamento de Spike Jonze com Sofia Coppolla.
 Waits teve a sua estreia como intérprete num filme de 1978, de Sylvester Stallone, Paradise Alley, como um pianista chamado Mumbles. Desde então, começou a aparecer em uma série de excelentes filmes, trabalhando com alguns realizadores aclamados ao longo do caminho. Ele tem colaborado com o auteur indie Jim Jarmusch, e Francis Ford Coppola por várias vezes.

Ao longo das próximas 3 semanas, vamos fazer uma viagem pela carreira deste actor, Conhecer alguns dos seus filmes, outros em que ele colaborou na banda sonora, e ouvir algumas das suas músicas. Espero que seja do vosso agrado. Volto Quinta.

Nenhum comentário: