terça-feira, 23 de abril de 2013

Stalker (Stalker) 1979


Depois de Solaris (1972), o grande mestre russo Andrei Tarkovsky envolveu-se uma vez mais no território da ficção científica, com Stalker, um filme ainda mais ambíguo e inteligente. 
Enquanto Solaris se passava no espaço desordenado e claustrofóbico de uma nave espacial, Stalker ocorre principalmente em "A Zona", uma zona misteriosa supostamente criada por um meteorito, embora muitos acreditem que seja o resultado de algo Divino. O Stalker (Aleksandr Kajdanovsky) leva dois homens para a zona, um escritor (Anatoli Solonitsyn) e um cientista (Nikolai Grinko). Tarkovsky dispara sobre o mundo real, numa espécie de preto-e-branco sépio, enquanto que a zona é a cores, verde com tonalidades nubladas. O Stalker é o único que pode navegar na complexa Zona. Embora pareça um monte de campos verdes com riachos, por vezes cheia de lixo, é aparentemente, um lugar muito evasivo e perigoso.
Com Stalker, Tarkovsky e os seus colaboradores criaram um filme que apenas nominalmente é de ficção científica. Como o melhor do cinema de Tarkovsky, Stalker é impossível de categorizar. Tarkovsky conscientemente auto-elimina o espetáculo e os efeitos especiais que se associam ao género, preferindo celebrar o espectáculo das paisagens naturais e também permitir o intercâmbio do diálogo para impulsionar a acção da narrativa para a frente . Este é um filme com uma quantidade fora de vulgar de discurso filosófico. Isso não é anormal para o género da ficção científica, mas porque Stalker desenvolve os seus argumentos e os temas com a palavra falada, pode parecer uma obra extremamente lenta. O valor reside na estratégia de Tarkovsky para ampliar as reflexões filosóficas dos personagens principais, para a forma e o estilo do filme. O tom contemplativo e espiritual reflete-se em certas cenas. A câmera imóvel detém imagens por um período de tempo que vão muito além da sua justificação narrativa e para o reino do poético. Ela torna-nos conscientes do estado infinitesimal da humanidade, da pequenez do esforço humano e da impenetrabilidade assustadora dos mistérios do universo.
O enigma do filme gira em torno de um quadrante da terra que as autoridades batizaram de A Zona. A Zona é um Éden oferecendo um presente que causa grande preocupação para a sombria presença militar que tenta impedir as pessoas de lá entrarem ilegalmente. É claro que a zona funciona tanto metaforicamente e a película como um todo alegorico. Embora inicialmente prometa ser um espaço libertador e democrático, acaba por ser o contrário. Aqueles que entram na zona devem confiar e receber ordens dos Stalkers (visionários psíquicos) que de alguma forma conhecem todas as rotas e os caminhos para o último quadrante. Assim, apesar da promessa no final da jornada, este ainda é um reino controlado por figuras autoritárias. Em contraste, o mundo real é apresentado como um pesadelo. A monstruosidade industrial, a tonalidade sépia sufocante sobre a poluição. A simples mudança de cor é simbolizada por um poderoso simbolismo, indicando inconformismo de Tarkovsky, oferecendo uma crítica visual de um estado socialista desumanizante. Mas, como observado anteriormente A Zona levanta mais questões do que respostas - a maioria delas obscuras e filosóficas.

Mega
Link
Imdb

Um comentário:

Hugo disse...

filme fabuloso :)