terça-feira, 30 de abril de 2013

A Bíblia de Satanás (In the Mouth of Madness) 1994



Sam Neill interpreta John Trent, um investigador de seguros que está preso num asilo de loucos assombrado na sua própria cela por um demónio sombrio. Depois de um médico se aproximar de Trent, a história desenrola-se como uma extensa busca em flashback para explicar a sua condição psicótica. Trent foi designado por uma editora cujo escritor-estrela é Sutter Cane (muito bem interpretado por Jurgen Prochnow), aparentemente desaparecido. O seu desaparecimento segue o seu mais recente lançamento em livro, um evento que desencadeia a histeria entre os seus leitores, porque quando as lojas ficam sem mais cópias para venda, os fãs começam a enlouquecer. Trent vai investigar o desaparecimento do escritor, mas  está longe de imaginar o que está para vir...
 Depois de um encontro desastroso com a máquina do estúdio de Hollywood em 1992, em Memórias de um Homem Invisível, John Carpenter tirou umas férias do cinema durante dois anos, surgindo para dirigir e apresentar um episódio de uma antologia irregular para a tv cabo intitulada "Body Bags". A sua carreira tinha vindo a ser prejudicada pelo fracasso de The Thing (1982) e o seu entusiasmo pelo processo fílmico tinha azedado  gradualmente. 1994 era o ano de "In the Mouth of Madness", e apesar de uma recepção calorosa mas pobre na bilheteria, dava evidências sólidas de que, se lhe fosse dado material decente e controle criativo, Carpenter ainda era um talento viável.
 Uma homenagem auto-reflexiva a Stephen King e, em particular, a HP Lovecraft, o filme misturava o film noir, terror e surrealismo de uma forma verdadeiramente eficaz e original. Muito mais experimental do que a maioria dos seus outros trabalhos - Carpenter, afinal de contas, tinha-se modelado filme após filme - e continuava o seu fascínio por protagonistas duros, cenários claustrofóbicos e sequências bem orquestradas e assustadoras. O argumento escrito por Michael De Luca é repleto de toques e idéias inteligentes, e uma abordagem sensata e sólida do realizador, com o material a dar-lhe assunto para enveredar surpreendentemente bem pelo imaginário surrealista. Embora muitas vezes criticado por ser um filme que começa bem, mas perde vapor no final, eu diria que é um dos projetos realizados com mais sucesso do realizador. O final espiritual não oferece qualquer senso de conclusão ou explicação, e isto talvez seja um problema para alguns espectadores, mas se encaixa perfeitamente na divertida abordagem de auto-reflexão do do filme.


Link 
Imdb 

Nenhum comentário: