sábado, 28 de dezembro de 2013

Legend of the Mountain (Shan Zhong Zhuan Qi) 1979



A um jovem estudante é atribuída a tradução de um pergaminho que detém o poder sobre a fronteira entre os vivos e os mortos. Quando chega a um posto militar distante, onde deveria fazer o seu trabalho, é quase abandonado, e as poucas pessoas que ainda estão em volta são todas meio estranhas. O nosso herói de alguma forma é levado a casar-se com uma jovem que acaba por ser um espírito maligno que está atrás dos poderes do pergaminho. As pessoas aparecem, desaparecem, transformam-se em fumaça de cores vivas...
Legend of the Moutain (1979), de King Hu, é uma anomalia na série de wuxia do realizador, já que não é um verdadeiro wuxia, mas, na verdade, uma evolução do género para longe da acção emocionante e a entrar no reino da reflexão. A história tende a olhar para o entusiasmo radical e jovem de Hong Kong, a "nova vaga" de sangue fresco de Tsui Hark, como os novos revisionistas da então obsoleta kungfu-wuxia. Mas, assim como incrível em contraste era uma nova vertente nas convenções ao ser provocada ao extremo por Hu em Raining in the Moutain, e em Legend of the Moutain, uma lírica e assombrosa fábula, como tranquila e contemplativa como a primeira fase de Hark dos filmes no início dos anos 80 foram convulsivamente enérgicos.
O que Hu faz em geral, e em Legend of the Mountain especificamente é envolver os seus cenários e exteriores tanto espacialmente (através de movimentos e lutas) como pictoricamente (referências a pinturas de paisagens e literatura chinesa) e deste envolvimento retirar destes locais naturais extras humanos, expressões de comportamento moral e fantasmagórico. A profundidade do filme (no sentido literal), dando tempo expansivo, espaço e beleza para a contemplação de uma situação misteriosa, fantástica, é memoravelmente conseguida por um acto final (uma hora) de visões dentro de visões, ensaios de fantasmas, e a troca da precisão sugestiva.
Legendas em inglês.

Link
Imdb

Nenhum comentário: