sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

A Aventura (L'Avventura) 1960



Um grupo de turistas ricos de Roma desfrutam de uma excursão de iate pela costa da Sicília. Depois de chegarem a uma ilha deserta vulcânica, um do grupo - uma jovem mulher chamada Anna - desaparece misteriosamente. A sua melhor amiga, Claudia, e o seu namorado Sandro fazem uma busca completa pela ilha, sem qualquer sucesso. A ausência de Anna tem o efeito de juntar Claudia e Sandro, mas também os pode afastar...
"L'Avventura" é o filme que estabelece a reputação do realizador Michelangelo Antonioni e anuncia uma nova era do modernismo no cinema italiano no início dos anos 60, um digno sucessor do neo-realismo. O filme representa uma grande mudança na essência da arte cinematográfica, com o estilo artístico assumindo uma importância muito maior sobre o conteúdo narrativo. A inovação de Antonioni é a maneira pela qual ele cria relações fortes entre os seus personagens (geralmente sem expressão) e os espaços que habitam. Os seus personagens são definidos mais por onde eles estão do que pelo que eles dizem ou fazem. Enquanto isto faz os seus filmes parecerem artificiais, quase de sonho, tem o efeito de que  as impressões reforçam o estado de humor interno e o conflito - uma espécie de impressionismo cinematográfico.
A mestria com que Antonioni meticulosamente compõe cada cena e a beleza da fotografia de alto contraste, torna o filme extremamente sedutor, mas é só quando olhamos para baixo da superfície que começa a fazer sentido o que está a ser dito pelo génio de que o realizador aparenta ser. Os filmes de Antonioni são como uma extensão de água calma num dia de verão brilhante - tranquilos e convidativos na sua superfície reluzente, ainda que se encontrem abaixo um turbilhão de forças que vão arrastar alguém para a sua condenação. Antonioni parece estar contente a mostrar-nos a superfície - o resto é deixado, em grande parte, para nossa imaginação.
L'Avventura é uma obra de arte existencialista - que explora a psicose humana com profundidade e inteligência, transmitindo a natureza efémera do amor e das poderosas forças psicológicas que muitas vezes fazem a experiência do amor um calvário com consequências de longo alcance. É também um comentário sobre os costumes sexuais da sua época, retratando as atitudes predominantes no amor livre com - na altura - uma chocante honestidade. Claudia (interpretada por Monica Vitti) é uma das primeiras personagens femininas verdadeiramente liberais - uma mulher que tem consciência do poder da sua sexualidade, que não está preparada para apresentar-se inquestionavelmente para o macho dominante, que não está contida pela consciência social, mas pelos seus próprios instintos de culpa.
Embora agora seja quase universalmente considerado um marco no cinema italiano, L'Avventura nem sempre teve o elogio unânime da crítica. Durante a pré-estreia no Festival de Cinema de Cannes, foi vaiado por um público insatisfeito, e foi condenado pelo ritmo lento e não convencional, e aparente falta de substância. Não é provavelmente o mais acessível dos filmes - o seu apelo é limitado a uma minoria de entusiastas do cinema que gostam de filmes com um alto teor de arte e que têm prazer em fazer a sua própria interpretação das mensagens ambíguas. Apesar de ter sido controverso quando foi lançado, L'Avventura teve um efeito imediato. Colocou Michelangelo Antonioni na vanguarda de uma nova geração de cineastas de todo o mundo que reinventaram o cinema na década de 60 e fizeram um impacto duradouro.

Link
Imdb

Nenhum comentário: