segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Belíssima (Belissima) 1952



O famoso realizador Alessandro Blasetti procura uma jovem para o seu novo filme. Assim como outras mães, Maddelena leva a pequena filha para a Cinecittà, na esperança de que ela seja selecionada e se torne uma estrela. Está pronta para sacrificar qualquer coisa pela pequena Maria, mesmo que o seu marido prefira salvar o pouco dinheiro que tem para a renda, em vez de pagar a professores, cabeleireiros ou subornos para concretizar as ilusões da mãe.
Luchino Visconti lança um olhar irónico para a indústria cinematográfica italiana do pós-guerra, nesta sátira obscura, um dos poucos passeios do realizador pela comédia e um filme que é muito facilmente esquecido à luz de obras posteriores do realizador. "Bellissima" representa algo como um ponto de viragem na carreira cinematográfica de Visconti, o início da sua dissociação do neo-realismo - que ele tinha servido admiravelmente com Ossessione (1943) e La Terra Trema (1948) - e o início de uma tendência para um estilo mais estilizado, uma abordagem romântica ao cinema, que iria atingir sua expressão máxima na sua obra-prima final, Il Gattopardo (1963). Bellissima pertence a um género que é chamado de neo-realismo côr-de-rosa, uma versão mais leve do neo-realismo que examina as duras realidades da vida no pós-guerra, da Itália através do prisma cor-de-rosa da comédia. Outro bom exemplo do género, lançado no mesmo ano, é Miracolo a Milano, de Vittorio De Sica (1951).
O compromisso de Luchino Visconti com a política de esquerda (apesar das suas origens aristocráticas, ele ingressou no Partido Comunista Italiano durante a guerra) criava naturalmente um mal-estar sobre os aspectos menos morais da indústria do cinema, como o filme demonstra amplamente. No entanto, Bellissima é muito mais do que um ataque a realizadores de exploração e a sua comitiva parasitária, é um filme que tem como principal preocupação a falácia de tentar construir uma vida em sonhos. Tanto o personagem central, Maddalena, como o seu marido (apropriadamente chamado Spartaco) estão obcecados com a fuga do seu atual ambiente de pobreza, ela quer que a filha se torne uma estrela de cinema, ele quer construir a sua casa de sonho. Nenhum tem muita esperança de sucesso, e ainda assim isto não os impede de arar todos os seus recursos no passatempo fútil de construir castelos no céu. A mensagem de Visconti é óbvia: os problemas das classes trabalhadoras não podem ser resolvidos por desejos e sonhos.
Bellissima dá a Anna Magnani (sem dúvida uma das maiores actrizes do cinema italiano) um dos seus papéis mais memoráveis​​, o da mãe insana e iludida, Maddalena. A teatralidade do desempenho de Magnani é perfeitamente adequado para a forma quase operática do neo-realismo de Visconti, mas o que faz a actriz ser tão apropriada para este filme é a sua capacidade de reproduzir a comédia e a tragédia com igual vigor, e de tal forma que não podemos ter a certeza de quando é qual. Magnani está sempre no seu melhor quando representa o mártir - quem pode esquecer as suas interpretações tortuosas no filme de Robert Rossellini "Roma, Cidade Aberta" (1945) ou Mamma Roma de Pier Paolo Pasolini (1962)? - E aqui ela tem uma grande oportunidade para fazer isso. Para os primeiros dois terços do filme, Magnani acelera os motores da auto-paródia ao ponto de quase ruptura, quando a sua personagem começa a usar medidas drásticas para atingir as suas ambições.Um filme imperdível.
Link 

Um comentário:

Rato disse...

Pessoalmente acho este filme o mais desinteressante de toda a filmografia de Visconti.