terça-feira, 24 de dezembro de 2013

King Hu e os Filmes Wuxia

Universalmente reconhecido como um dos realizadores chineses mais influentes e importantes da história do cinema, King Hu (1932-1997) chegou à fama a fazer filmes wuxia - subgénero "swordplay" do cinema de artes marciais. No processo de aperfeiçoamento do género, Hu também foi capaz de torná-lo um veículo para a sua personalidade autoral, assim como Kurosawa faria com os filmes de samurais e Minnelli com o musical de Hollywood. Enquanto Kurosawa teve uma influência directa sobre Hu, a comparação com Minnelli é igualmente válida, já que ambos os realizadores eram altamente cultos e prestaram especial atenção aos cenários e direção de arte dos seus filmes, deleitando-se com a capacidade da mise-en-scène, o movimento e a composição espacial do frame para expressar o personagem e as relações entre os personagens.
Nascido em Pequim, Hu Jinquang cresceu em conforto, mais interessado na ópera chinesa do que no cinema. Ainda na adolescência, trocou Pequim por Hong Kong em 1949, pouco antes do Exército Popular de Libertação entrar na capital, e de lá nunca mais voltou. Depois de alguns anos a procurar qualquer trabalho que conseguisse encontrar, acabou a trabalhar no cinema "por acidente", como ele dizia, começando com cenografista e na construção de cenários. Em 1956, era actor, e em 1958 assinou um contrato com os lendários Shaw Brothers, então o estúdio mais conhecido e prestigiado do Hong Kong. Lá ele se tornou aprendiz de outra estrela, Lee Hanxiang, o realizador que se especializou em filmes de ópera e melodramas históricos. Depois de ajudar Lee no clássico The Love Eterne (1963), foi lhe dada a oportunidade de realizador Sons of the Good Earth (1965), um épico patriótico passado durante a Guerra de Resistência contra o Japão. 
Foi com o segundo trabalho como realizador (e primeiro filme wuxia), Come Drink With Me , que o domínio da composição e montagem de Hu se tornou aparente. O sucesso deste filme sinalizou que o público tinha correspondido à decisão de Hu para enfatizar a coragem e a habilidade dos seus protagonistas, ao invés do uso de poderes mágicos, e para suavizar o melodrama do género em favor de um estoicismo sóbrio que, no entanto, explodia em vôos de fantasia durante as sequências de ação. Entusiasmado, Hu deixou os Shaw Brothers, que via como artisticamente inibidos e mudou-se para Taiwan, cuja indústria cinematográfica era menor, mas foi recebido de braços abertos.Agora em Taipei, a partir do final dos anos 60, e até ao início dos anos 80, tornou-se um precursor dos realizadores de hoje em dia, a trabalhar como um cineasta independente, usando talentos e financiamento de Taiwan e Hong Kong e até mesmo da Coreia do Sul. Durante este período, Hu continuou a refinar o filme wuxia na realização e no uso da grande expressividade começada com Come Drink With Me.
Incentivou os seus coreógrafos de artes marciais a desenhar a partir dos movimentos alternadamente fluidos e rítmicos das óperas chinesas. Em vez de recorrer a movimento rápidos ou lentos, animação ou outras técnicas de efeitos especiais, Hu confiou tanto quanto possível nas verdadeiras habilidades dos seus intérpretes e na magia da montagem. Embora os filmes muitas vezes tivessem argumentos complexos, Hu gasta o mínimo tempo possível na exposição, preferindo personagens que se expressavam através da acção e da filosofia apresentada nos cenários. Talvez a mais surpreendente inovação de Hu fosse a ênfase no arquetipo da swordfighter feminina, e a utilização desta figura para gerar o género e a ambiguidade sexual entre os seus personagens, ao fazer dela o centro moral da ação, bem como heroínas cómicas de Shakespeare.No entanto, a "idade de ouro" de Hu foi de curta duração. Por ser bastante ambicioso e caro, o épico "A Touch of Zen" foi o primeiro filme chinês a ganhar um prémio no Festival de Cannes, mas perdeu dinheiro durante o lançamento nos cinemas de Hong Kong e Taiwan. Embora seja hoje reconhecido como o pináculo de Hu, o fracasso financeiro do filme tornou mais difícil para o realizador arrecadar dinheiro. Ao mesmo tempo, a fama mundial de Bruce Lee mudava o género das artes marciais do wuxia para os filmes "Kung Fu", com ambientes contemporâneos e ênfase no combate desarmado. Hu respondeu mudando de filmes de swordfight para trabalhar enfatizando a intriga ou o sobrenatural, mas, em 1982, ele mudou-se para a Califórnia numa tentativa malfadada de ressuscitar a carreira. 
As inovações de Hu, numa última análise, ajudaram a reviver o género wuxia e são explicitamente citadas nos filmes de Wong Kar-wai, Zhang Yimou e, principalmente, O Tigre e o Dragão, de Ang Lee. Também é reconhecido como uma grande influência sobre os realizadores da "New Wave", em Hong Kong e Taiwan: Tsui Hark e Ann Hui, de um lado; Ang Lee e Tsai Ming-liang, do outro.
O My Two Thousand Movies tem todo o orgulho em apresentar este pequeno ciclo, entre o Natal e o Ano Novo, do qual farão parte 7 filmes. Até já. 

 

Nenhum comentário: