domingo, 29 de dezembro de 2013

Adeus, Dragon Inn (Bu San) 2003



A história de "Adeus, Dragon Inn" é simples. No último dia de funcionamento, o Good Fortune Movie Theatre mostra o filme de King Hu, "Dragon Inn". A mulher dos bilhetes (Chen Shiang-Chyi) caminha pela maioria das instalações uma última vez; Um turista japonês (Kiyonobu Mitamura) procura por um isqueiro e encontra alguns clientes do cinema bastante peculiares. Mesmo que os personagens estejam ativos, na medida em que se movimentam e interagem uns com os outros, em algum nível, uma câmera estática, faz-nos sentir que nada esteja a acontecer. A mulher dos bilhetes é uma das personagens mais móveis e sempre que olhamos para ela esperemos que ela chegue ao seu destino. A sua perna direita tem uma cinta, por isso leva mais tempo a mover-se, e a câmera fixa de Tsai força-nos a observar tudo.
Com uma determinação inabalável, Tsai Ming-Liang confronta-nos em tempo real para enfatizar a ideologia do filme, que diz que o tempo destrói tudo e a única maneira de combatê-lo é parar a sua progressão. Num dos mais longos takes do filme, a mulher dos bilhetes está sentada na cabine de projeção. Ela permanece absolutamente parada por dois minutos e 43 segundos. O realizador transforma esses minutos intermináveis ​​na ilusão de que o tempo pode deixar de existir. A imagem do filme em movimento parece ter ficado parada. Tsai produz o mesmo efeito várias vezes ao longo do filme, envolvendo cenas onde os personagens estão imóveis ou apenas deixaram um determinado espaço. A preocupação de Tsai com o tempo não é apenas refletida na fotografia, mas também na narrativa. Há três dimensões do tempo no filme: A duração de "Adeus , Dragon Inn", o comprimento de "Dragon Inn", e a sugestão de que meses ou anos se passaram desde que o filme de Tsai começa e termina.
"Adeus, Dragon Inn" começa com imagens do início de "Dragon Inn", de seguida, revela que um cinema cheio está a assistir tranquila e atentamente ao filme de King Hu. Quando o turista japonês entra em cena  parece haver menos de cinco pessoas na sala de cinema. O tom ameaçador da iluminação é agravado pela falta quase total de diálogo. Até aproximadamente 44 minutos do filme, as únicas vozes ouvidas são as que vêm de "Dragon Inn".  Tsai Ming-Liang fez um filme que por todas as razões estéticas deve ser um filme assustador. Uma grande carga psicológica está presente, mas no tom em vez da história. Surpreendentemente, no entanto, em vez de vestir a pele de um filme sinistro, "Adeus, Dragon Inn" funciona um pouco como uma sátira de género. Por exemplo, há cartazes de "The Eye" (Oxide Pang e Danny Pang, 2002) rebocados por todo o exterior do Cinema.
Mas, no entanto, o único fantasma real de "Adeus, Dragon Inn", é a constatação de que os filmes não mudam, mas sim as audiências. À medida que o filme avança, o tamanho da plateia que assiste a "Dragon Inn" fica cada vez menor, até que apenas três pessoas permanecem na sala. Dois desses personagens têm a segunda e última conversa e o que dizem um ao outro liga-se profundamente à obsessão de Tsai com o poder destrutivo e depreciativo do tempo. E são dois actores do filme original.

Link
Imdb

Nenhum comentário: