quarta-feira, 25 de setembro de 2013

The Silence (Sokout) 1998



A figura da criança tem sido um tema recorrente nos filmes iranianos. A razão para isto é institucional. Os filmes financiados pelo Estado iraniano têm como missão educar e elevar a consciência cívica da população em geral, e as crianças são muitas vezes o público-alvo. Assim, por exemplo, muitos dos filmes dos anos setenta e oitenta, de Abbas Kiarostami - seja de ficção ou documentário - lidam com crianças e/ou estudantes. Além disso, o uso da criança como protagonista central pode tornar mais fácil para um realizador, a trabalhar num estado como o Irão, que coloca limites severos à liberdade de expressão, para tratar de questões politicamente ou socialmente sensíveis.
Mas entre todos os estimáveis ​​filmes iranianos que têm-se centrado em protagonistas crianças, é verdade que há uma série de outros (tal como Filhos do Paraíso) que simplesmente exploram o potencial sentimental de colocar um pobre jovem na frente da câmera. E talvez seja isso que Mohsen Makhmalbaf fez com "The Silence" 
O Silêncio partilha a beleza visual impressionante de Gabbeh, um dos filmes anteriores de Makhmalbaf, embora seja muitas vezes uma beleza de cortar o significado da narrativa. Também marca mais distanciamento físico de Makhmalbaf para a sociedade iraniana mainstream. Gabbeh tinha sido criado entre uma tribo nómade no sudeste do Irão, e aqui o realizador movimenta-se para fora do Irão, para o Tajiquistão. Não há dúvida de uma dimensão política para isso, um sinal das dificuldades que Makhmalbaf tem em funcionar na arena cultural cada vez mais conservadora no país.
A história é simples e directa. Centra-se em Khorshid, um jovem cego de dez anos de idade, cujo trabalho numa pequena oficina de instrumentos é a principal fonte de renda para si e para a sua mãe. Materialmente, eles estão ameaçados pela perda do lar e do trabalho - que estão prestes a ser despejados, a menos que possam pagar o aluguer, e Khorshid está perto de perder o emprego por chegar continuamente atrasado ao trabalho. A razão para este atraso constante é que Khorshid distrai-se com os sons do mundo ao seu redor, e a representação visual/auditiva forte e vívida de Makhmalbaf, das distrações do Khorshid é o motivo principal sobre que se debruça o filme. 
Há um sentido nestas cenas que Khorshid não é apenas distraído com os sons que ouve, mas ele fá-los serem deles mesmo, criando o seu próprio mundo a partir deles. Makhmalbaf marca este ponto com as sequências repetidas dos dedos de Khorshid a ligar e desligar os ouvidos e com o modo como o som da água corrente é sobreposta sobre os sons que ouve. Esta apropriação de sons é o meio pelo qual alguém que é impotente e marginalizado pode deixar a sua marca no mundo, e este é o significado do clímax do filme.
Ganhou vários prémios no festival de Veneza de 1998, mas perdeu o Leão de Ouro para um filme italiano chamado "Così Ridevano"

Link 
Legendas
Imdb

Nenhum comentário: