domingo, 29 de setembro de 2013

Baran (Baran) 2001



Não há nenhuma criança aleijada em "Baran" de Majid Majidi, que presta uma atenção humanista para a situação dos refugiados afegãos. O filme é menos "feel good" do que "Children of Heaven" e menos pitoresco do que "The Color of Paradise", mas poderosamente lúcido. Depois de da invasão soviética de 1979 ao Afeganistão, os refugiados fizeram o seu caminho para o vizinho Irão, trabalhando clandestinamente, sem os documentos apropriados. O timing do filme não poderia ser melhor, o cartão do título de abertura, que relata a história da terra pode ou não cair em ouvidos surdos liberais (Majidi lamenta a pobreza que os muçulmanos enfrentam por causa das guerras civis causadas pela presença estrangeira na sua terra ). Memar (Mohammad Amir Naji) emprega uma legião de trabalhadores afegãos, substituindo os lesionados pelos jovens com baixos salários. Quando a Lateef é dada a tarefa mais pesada para compensar o novo trabalhador afegão Rahmat, ele ressente-se do esforço e trata Rahmat cruelmente. Depois de uma das suas brincadeiras, Lateef descobre o segredo de Rahmat - ele é uma rapariga chamada Baran. O coração de Latif suaviza perante Baran e mostra-lhe afeição, fazendo o que pode para amenizar as dificuldades que ela sofre no trabalho. Quando os inspetores do governo obrigam todos os afegãos a serem demitidos, Lateef descobre que não pode ficar sem ela. Colocando em risco a posição social e o seu próprio bem-estar, Lateef não pára diante de nada para salvar seu amor.
O Irão recebeu bem mais do que um milhão de refugiados do Afeganistão. Apesar de não serem oficialmente assimilados na sociedade, tornaram-se o sustentáculo de uma economia paralela, explorada e apreciada em igual medida. Majid Majidi no seguimento do internacionalmente aclamado The Colour Of Paradise traz-nos uma peça forte emocionalmente e politicamente poderosa, de cinema.
"Baran", assim como seus outros filmes iranianos, foi comparado ao movimento neo-realismo do cinema italiano. Há paralelos óbvios entre essa corrente e o trabalho de Majidi. O uso de exteriores, os atores, a presença de ambientes sociais. Além disso, o uso de histórias quotidianas, comuns, a partir do qual surge uma preocupação com as condições sociais e existenciais dos seus personagens, o que leva a um raio-x de uma sociedade. Estabelecido este paralelo entre a película corrente e da obra de Majidi, deve notar-se que Baran é mais bem sucedido como um todo. Sem descrédito dos dois filmes anteriores, Majidi tem um maior controlo sobre os meios de produção com o qual conta, o que resulta num filme mais maduro como um todo, mas de igual intensidade que os outros dois. 
Outro ponto interessante é que Majidi deixa de lado as personagens infantis e investiga os conflitos adultos. Por essa razão, o mundo do trabalho e as emoções dos adultos estão na vanguarda em Baran, mas a religião ainda está lá, incorporada na vida e nas acções dos personagens nas suas vidas diárias.

Link 
Imdb 

Nenhum comentário: