domingo, 22 de setembro de 2013

Filhos do Paraíso (Bacheha-Ye Aseman) 1997



"Children of Heaven" de Majid Majidi tornou-se no primeiro filme do Irão a ser nomeado ao Oscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira, e é uma obra tanto inspiradora como deprimente. Por um lado, do Irão foi saindo um número surpreendente de filmes realizados durante a última década, e nos últimos cinco anos, especialmente. Ver o país reconhecido pela Academia, ocasionalmente, é um motivo de grande júbilo entre aqueles que foram sendo arrastados pela produção cinematográfica daquele país. Outra razão para apreciar a realização de Majidi é que a censura iraniana têm sido, tradicionalmente, tão rigorosa sobre o patrocínio e libertação do trabalho dos realizadores iranianos que sempre que algum trabalho atinge um público internacional sente-se logo como um enorme feito.
Uma longo take sobre as mãos de um sapateiro experiente a reparar um pequeno sapato de couro cor de rosa abre este filme de Majid Majidi, "Bacheha-Ye Aseman", antes de nos mostrar as mãos do jovem de 9 anos Ali (Mir Farrokh Hashemian) com algumas moedas para pagar o serviço. Ali, de seguida, visita uma loja de frutas e legumes na calçada para pegar algumas pequenas batatas para a refeição da família, para perder os sapatos da irmã - um desastre já que os seus pais vivem uma existência miserável em Teerão e não podem dar-se ao luxo de substituí-los. 
Ali está desesperado. Ele sabe o quão preciosos são aqueles sapatos para a irmã de sete anos de idade, Zahra (Bahare Seddigi), e ambos percebem que a perda iria perturbar os seus pobres pais. Portanto, aqui está o enredo básico, claro e simples. Pode ser difícil imaginar um realizador criar tal premissa durante 90 minutos, mas Majidi consegue fazer um trabalho espetacular com uma obra que expressa profundamente a obstinada determinação, a grande compaixão e amor familiar básicos. E tudo feito sem efeitos especiais e sem actores de nome.
Carregando o filme sem quaisquer outros créditos, os dois jovens atores verdadeiramente cuidam um do outro e dão ao filme raros conhecimentos íntimos da vida diária iraniana. Desolado com a perda dos seus sapatos, Zahra derrama lágrimas sinceras e preocupa-se com o que pode usar na escola no dia seguinte. Ela e Ali furiosamente passam notas por baixo dos narizes dos seus pais, até que uma solução viável é acordada: Os dois irmãos compartilharão os ténis de Ali desde que frequentem a escola em turnos diferentes, criando um dispositivo dramático natural para a narrativa. Claro que as complicações irão aparecer...
Mesmo que considerarmos o dispositivo dos sapatos perdidos difícil de engolir, a sinceridade e o carinho das crianças de uma forma brilhante, introduzem os valores básicos da família iraniana. Ao contrário de muitas crianças norte-americanas, elas são silenciosamente respeitosas dos adultos, mantendo a sua dignidade interior. Ali e Zahra personificam as personagens do título, através da doçura sincera. Esta naturalidade faz o trabalho de Majidi ser um poema visual tão esplendoroso, que a fotografia capta as reações intimas das crianças à queima-roupa. Os seus personagens brilham através da simples vida quotidiana em vinhetas que encantam completamente a plateia e aquecem o coração de toda a gente.

Link
Imdb

Nenhum comentário: