segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Kandahar (Safar e Ghandehar) 2001



Não é bem uma "viagem ao coração do Afeganistão" (como os anúncios indicam), Kandahar é uma alucinação induzida pelo sol do que pode ser uma viagem. As primeiras imagens do filme são de um eclipse solar visto através da malha de uma burka e os seus efeitos ofuscantes. A heroína é uma jornalista afegã-canadiana chamada Nafas (Nelofer Pazira), que regressa à sua terra natal depois de receber uma nota de suicídio da sua irmã, que vive na cidade de Kandahar. A jornada de Nafas é longa e incoerente e pode ter ocorrido apenas na sua cabeça. Mas, como o realizador do filme Mohsen Makhmalbaf implicitamente pergunta em cada cena, o que é o Afeganistão senão um estado de espírito?
Iniciando a viagem a partir da fronteira Irã-Afeganistão, Nafas disfarça-se como a quarta esposa de um homem afegão idoso. Como jornalista, ela grava incessantemente no seu gravador, geralmente em Inglês. Makhmalbaf, que escreveu o argumento e montou o filme, nunca foi realizador que se preocupasse com o diálogo, e Kandahar não é excepção. O poder está nas suas imagens e, quando Nafas viaja mais profundamente no Afeganistão, é fotografada numa série de poses que cada vez mais transformam a opressão do sexo feminino num estado de graça altamente fotogénico.
Kandahar foi filmado em segredo ao longo da fronteira entre o Irão e o Afeganistão, frequentemente sob o olhar atento dos soldados talibãs, e o filme mostra sinais da sua produção stressante. As interpretações de actores não-profissionais é ruim o suficiente para provocar risos em alguns momentos. Nelofer Pazira, que interpreta Nafas, é uma actriz não-profissional que é uma variação de si mesma. A sua verdadeira história chamou a atenção de Makhmalbaf, que planeava fazer um documentário sobre o Afeganistão, mas Kandahar, com os seus pontos de vista subjetivos, está muito longe de um documentário.
Como em "Baran", os nativos afegãos retratados em "Kandahar" são mais uma aparição do que um ser humano, condenados a vaguear pela Terra num estado de limbo e destinados, ao que parece, para a regressar à sua terra natal outra vez. Em suma, para ser um afegão é ser um exílado. É um estado constante de fugir e regressar.

Link 
Imdb 

Nenhum comentário: