domingo, 15 de setembro de 2013

Still Life (Tabiate Bijan) 1974



Mohamad Sardarimais de 30 anos que trabalha numa passagem de nível ferroviária, numa aldeia remota. Obediente, ele baixou e levantou a guarda de trânsito de cada vez que um comboio passou por alí. Na sua pequena casa, a esposa faz tapetes do nascer ao pôr do sol, e o filho já deixou a familia para se juntar ao exército. Com o mínimo de contacto com o mundo exterior, Mohamad há muito tempo que estabeleceu a sua vida tranquila, e sem incidentes - uma vida que ele não vê razão para mudar, nem deseja fazê-lo.Um dia ele recebe uma carta do departamento de transportes para a sua aposentadoria do serviço. Sardari é incapaz de compreender o significado da carta e começa a acreditar que tenha sido despedido. Desolado, decide ir até a sede do departamento localizada na cidade e descobrir o motivo.
Seja ou não o filme brilhante, como muitos anunciam, independentemente do elogio, é certamente memorável que atinge um senso muito forte de afastamento e a inutilidade final de algumas vidas. É um filme lento, o protagonista que tem longos períodos de nada pontuado por momentos repentinos de atividade comparativa. Apesar de tudo consegue ser surpreendentemente envolvente.
Feito durante a época da pré-revolução, quando o cinema escapista de Hollywood e as suas imitações eram muito mais populares, tais filmes intransigentes de qualidade estavam a ser feitos. Tipicamente europeu na forma, mas exclusivamente iraniano no seu conteúdo, Still Life é o tipo de filme que o cinema contemplativo contemporâneo decola. Produzido por um grupo recém-formado chamado Kanun-e Sinemagaran-e pishro (Centro de Cineastas Avant-Garde), que também produziu alguns das primeiras obras de Mehrjui, o filme foi um dos muitos que estavam descontentes com a forma actual do governo. Embora nunca tenha sido abertamente político, Still Life, não só consegue criticar profundamente a disparidade que existia entre aldeias e cidades do país durante o regime do Xá, mas também continua a ser um dos melhores trabalhos do país até a data.  
O que é singular sobre o filme é o modo como ele lida com o tempo cinematográfico. O realizador,
Sohrab Shahid Saless, enquanto nos deixa testemunhar cenas individuais que se desenrolam em tempo real - seja inteiras sessões de um jantar ou transições ferroviárias - sem obstáculos, embaralha a ordem dessas cenas de uma forma que desconsidera a cronologia. Numa uma cena do filme, vemos o filho voltar para casa do casal e, no próxima, ele está ausente. Logo percebe-se que a maioria das cenas poderiam ter ocorrido em qualquer ordem arbitrária em tempo real, e cada uma dessas ordens é essencialmente irrelevante, dada a idéia do filme.
Concorreu no festival de Berlin de 1974, onde arrecadou quatro prémios, incluindo o Urso de Prata.

Link 
Imdb 

Nenhum comentário: