sábado, 28 de setembro de 2013

Tempo de Embebedar Cavalos (Zamani Barayé Masti Asbha) 2000



Em muitos pontos, enquanto assistimos a este filme, sentimo-nos como se estivessemos a folhear um livro na mesa do café, cheio de fotos dos curdos e do seu habitat iraniano montanhoso. Mas se o diálogo escasso do filme e o enredo linear ocorrem contra uma sucessão de belas e agitatadas imagens de fundo, o foco está claramente nas luta das pessoas, uma família, uma aldeia, e um povo. Mais importante ainda, o filme mostra a importância da família na vida dos seus personagens.
"A Time for Drunken Horses" olha para a existência turbulenta de um grupo de órfãos curdos irmãos, um jovem a entrar na idade adulta, Ayoub (Ayoub Ahmadi), um menino aleijado, Madi (Madi Ekhtiar-Dini), lutando para sobreviver; uma menina , Amaneh (Amaneh Ekhtiar-Dini), que se esforça para ajudar a sua família e obter educação, e uma jovem, Rojin (Rojin Younessi), ajudando os seus irmãos como que a antecipar que está prestes a casar-se e a partir para outra aldeia. O filme não tenta explicar as causas dos problemas recentes desta família ou os de longa data, hostilidades históricas por trás de muitas das suas dificuldades do dia-a-dia. Em vez de fazer declarações políticas ousadas, o filme mostra como os seus personagens e as pessoas que eles representam, sofrem e resistem.
Na sua descrição dos curdos, em especial esta família, o realizador Bahman Ghobadi examina de perto a vida dos cidadãos comuns. O filme retrata as experiências quotidianas desta pequena família, oferecendo-nos como um microcosmo de toda a comunidade curda. Não há nada de fantástico sobre o filme, e o espectador pode supor que eventos como o da jornada de Ayoub para assegurar uma operação médica para Madi, ou a aceitação de um casamento arranjado de Rojin - são extraordinários, mesmo que demonstram a grande coragem de cada um dos personagens principais. No início do filme, Ghobadi oferece uma declaração escrita, dizendo que vai recontar a história de pessoas reais, como ele acha que eles sejam, sublinhando que "não são uma invenção da minha imaginação."
Num certo sentido, o filme é político. E consegue atingir esta "consciência" através de uma espécie de naturalismo literário traduzido para o cinema, com foco nos detalhes diários. Na verdade, "A Time for Drunken Horses" começa muito parecido com um documentário, com a voz de um desconhecido, entrevistador invisível a fazer a Amaneh uma série de perguntas. Ao invés de criar uma distância entre os espectadores e a jovem, essa cena incentiva a empatia. Cenas posteriores permitem que os telespectadores esqueçam a possibilidade de atitudes alternativas para estas pessoas e a sua situação. 
O filme termina muito abruptamente, deixando os telespectadores sem saber o que irá acontecer de seguida, armados apenas com as poucas dicas que já lhes foram dadas. Madi certamente que irá morrer dentro de poucos meses ou alguns dias. Os outros três irmãos provavelmente irão viver mais do que Madi, mas muito possivelmente, não por muito tempo mais. Os telespectadores poderão se sentir insatisfeitos e inquietos, mas também ficam sabendo que a vida é difícil para os curdos, e que a dos personagens do filme, vai continuar. 
Este seria o filme de estreia de Bahman Ghobadi, então com apenas 30 anos.  Ganhou a Câmera de Ouro e o FIPRESCI Prize no festival de Cannes de 2000.

Link 
Imdb 

Nenhum comentário: