quarta-feira, 25 de setembro de 2013

O Sabor da Cereja (Ta'm e Guilass) 1997



Mr.Badii, um homem de meia-idade planeia cometer suicídio e procura desesperadamente alguém para ajudá-lo - ele já cavou a sua própria sepultura nas montanhas, mas o assistente vai ter que enterrá-lo quando ele tiver cumprido o acto. Pede a um soldado curdo, a um seminarista afegão, mas todos se recusam a ajudá-lo por algum motivo. Por fim, ele encontra um taxidermista turco de idade, que tem um filho doente e tentou anteriormente ele próprio o suicídio, e concorda em ajudar Badii.
Filmado principalmente no interior do seu veículo, e raramente, se não nunca, vemos a interação dos personagens dentro do mesmo quadro da câmera, a narrativa é pontuada com muita solidão e no silêncio contemplativo quando Badii anda na sua própria busca, e então preenchido com abundância de diálogo. Durante estes momentos, o filme torna-se extremamente falador, dentro dos limites estreitos do carro, e deixam-nos constantemente perguntando quem finalmente ter a mão irá cumprir o caso.
O taxidermista turco que antes compartilhava os mesmos pensamentos sobre acabar com a própria vida, torna-se uma peça em movimento sobre a própria vida, como com todos os seus problemas e dificuldades. Vemos os extremos dos personagens apenas entre os vários personagens que entram no carro de Badii, um está assustado o suficiente para fingir que tudo lhe parecia indiferente, e queria salvar-se e voltar para a zona de segurança da sua rotina, e no outro extremo um que não acha má idéia apoiar o problema de Badii, mas não vai além de meras palavras. Depois, há outros que estão no meio, onde o dinheiro tem um papel importante, porque é necessário para facilitar um ganho pessoal. Preocupações sobre a Vida e a Morte para um estranho que parece distante em comparação com a necessidade imediata de apoiar um amor.
A fotografia parece tão sombria como a missão de Badii, com Abbas Kiarostami a nunca vacilar em dar-nos pistas adicionais quanto ao fundo deste homem como a paixão singular, que reconhecidamente faz vacilar um pouco, deixando o final em aberto
Ganhou a Palma de Ouro em Cannes, empatado com "A Enguia", de Shohei Imamura.

Nenhum comentário: